Licenciatura em educação do campo: a percepção de universitários sobre a disciplina de Libras

  • Carlos Antonio Cunha dos Santos Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Pará (IFPA), Campus Rural de Marabá(CRMB), Pará, Brasil.
Palavras-chave: Libras, Educação do Campo, Graduação, Inclusão

Resumo

O objetivo deste trabalho é registrar a percepção de estudantes de uma turma do curso de
Licenciatura em Educação do Campo em relação à disciplina Introdução ao Ensino de Libras.
Aplicou-se um questionário para se investigar as principais barreiras para a inclusão de aluno
surdo em sala de aula e a pesquisa mostrou que a maioria desses alunos tiveram contato inicial
com a Libras na escola, mesmo quando havia a presença de um familiar surdo em casa. O
processo de inclusão desses alunos não acontece como estabelecido pela legislação brasileira,
sobretudo, devido à carência de profissionais da Libras e de formação docente adequada para
atuar com os alunos surdos. Observou-se também que, embora a carga horária atenda à
legislação vigente, essa é insuficiente, pois não possibilita a aplicação dos conteúdos previstos
na ementa do curso, tornando-se um dos entraves para melhor aproveitamento da disciplina.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Antonio Cunha dos Santos, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Pará (IFPA), Campus Rural de Marabá(CRMB), Pará, Brasil.

Especialista em Educação Ambiental e Sustentabilidade, Pedagogo, biólogo, professor do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (IFPA), Campus Rural de Marabá(CRMB).

Referências

BRASIL. Decreto lei nº 5626 de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 2005.

______. Censo da Educação Superior 2016: notas estatísticas. Ministério da Educação(MEC)- Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Brasília-DF, 2016. Disponível em http://download.inep.gov.br/ educacao_superior/censo_superior/documentos/2016/notas_sobre_o_censo_da_educacao_superior_2016.pdf, acesso em 20/11/2018, 15h

______. Lei nº 10.436 de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras e dá outras providencias. Diário Oficial da União, Brasília, 2002. Disponível em: < http://www. planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm>. Acesso em: 19 jul. 2018.

______. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, 1996. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ ccivil_ 03/leis/l9394.htm>. Acesso em: 20 jul. 2018.

______. Ministério da Educação. Secretaria de Edu¬cação Especial. Saberes e Práticas da Inclusão: Recomendações para a Construção de Escolas Inclusi¬vas. Brasília: MEC/SEESP, 2005.

GUARINELLO, Ana Cristina. et al. A inserção do aluno surdo no ensino regular: visão de um grupo de professores do Estado do Paraná. Revista Brasileira de Educação Especial. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci arttext&pid=S1413-5382006000300003&lng=pt&nrm= iso . Acesso em: 25 de jul. de 2018

LOURENÇO, Kátia Regina Conrad. Currículo Surdo: Libras na escola e desenvolvimento da Cultura Surda. Tese de Doutorado em Educação. PUC-SP, 2007.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

MARTINS, V.R.O. O acontecimento do ensino de libras – diferenças e resistências. In: ALBRES, N.A. Libras em estudo:ensino-aprendizagem. São Paulo: FENEIS-SP, 2008.

MERCADO, E.A. O significado e implicações da inserção de libras na matriz curricular do curso de pedagogia. In: ALBRES, N.A. Libras em estudo:ensino-aprendizagem. São Paulo: FENEIS-SP, 2012.

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação em Licenciatura Plena em Educação do Campo. Área de Concentração: Ciências Humanas e Socias. Plano Nacional de Formaçao de Professores do Estado do Pará- Pafor/Pará, 2007.

REILY, L. Escola Inclusiva: Linguagem e mediação. Campinas, SP: Papirus, 2004.

ROSSI, R.A.A Libras como disciplina no ensino superior. Revista de Educação.v, 13, n. 15, Anhanguera Educacional, Valinhos-SP, 2010. Disponível em: http://www.pgsskroton.com.br/ seer/index.php/educ/article/viewFile/1867/1772]. Acesso em: 20 Set. de 2018.

SOUZA, R. M de. Língua de sinais e escola: considerações a partir do texto de regulamentação da língua brasileira de sinais. In: Revista ETD (Educação Temática Digital). Vol. 7. Nº. 2, 2006, p. 263-278.

VITALIANO, Célia Regina. Análise dos currículos dos cursos de Pedagogia das universidades públicas dos Estados do Paraná e de São Paulo, em relação à formação para inclusão e/ou atuação junto a alunos com necessidades especiais antes e após as diretrizes curriculares de 2006. Projeto cadastrado na PROPPG. UEL. Londrina, 2009.

Publicado
01-11-2019
Como Citar
Santos, C. A. C. dos. (2019). Licenciatura em educação do campo: a percepção de universitários sobre a disciplina de Libras. Revista Sinalizar, 4. https://doi.org/10.5216/rs.v4.56161
Seção
Artigos