O ensino de libras nos cursos de formação de professores: desafios e possibilidades

Autores

  • Gláucia Xavier dos Santos Paiva Universidade Federal de Goiás (UFG). Faculdade de Letras (FL). Goiânia, Goiás, Brasil
  • Juliana Guimarães Faria Universidade Federal de Goiás (UFG). Faculdade de Educação (FE).Goiânia, Goiás, Brasil
  • Neuma Chaveiro Universidade Federal de Goiás (UFG). Faculdade de Letras (FL). Goiânia, Goiás, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.5216/rs.v3i1.53145

Palavras-chave:

Surdo. Libras. Ensino. Formação de Professores.

Resumo

O ensino de Libras nos cursos de formação de professores é obrigatório, conforme estabelecido pela Legislação brasileira. Contudo, ainda há discussões sobre os conteúdos e a carga horária dessas disciplinas. O objetivo deste trabalho é expor algumas reflexões sobre o ensino da Língua Brasileira de Sinais (Libras) nos cursos de Licenciatura. As considerações aqui apresentadas são fruto de um estudo bibliográfico de cunho qualitativo e encontram-se dispostas em duas seções “A Libras como disciplina obrigatória: desafios encontrados” e “Libras nas Licenciaturas: vislumbrando possibilidades”. Nossas considerações finais não pretendem esgotar o tema, tampouco temos a intenção de apontar um único caminho. O intento deste trabalho é, antes de tudo, contribuir para o crescimento qualitativo do processo em questão, alertando para a necessidade de ampliação do debate a respeito do tema.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, J. J. F. de; VITALIANO, C. R.. A Disciplina de Libras na Formação Inicial de Pedagogos: Experiência dos Graduandos. 2012. Disponível em:http://www.ucs.br/etc/conferencias/index.php/anpedsul/9anpedsul/paper/viewFile/2429/582 Acesso em: 07 out. 2014.

BENASSI, C. A; DUARTE, A. S.; PADILHA, S. J.. “Libras no ensino superior: sessenta horas para aprender a língua ou para saber que ela existe e/ou como se estrutura”. Norteamentos. Revista de estudos linguísticos e literários da UNEMAT, v 5, n 10, p. 45-59. 2012.

BOTELHO, Paula. Linguagem e Letramento na educação dos surdos. Belo Horizonte:

Autêntica, 2002.

BRASIL. Lei nº 10.436 de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, 24 abr. 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm. Acesso em: 15 fev. 2014.

________. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras. Brasília, DF, dez. 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato20042006/2005/decreto /d5626.htm Acesso em: 22 dez. 2002.

CAMPOS, Mariana de Lima Isaac Leandro; SANTOS, Lara Ferreira dos. Ensino de LIBRAS para futuros professores da educação básica. In: LACERDA, Cristina Broglia Feitosa de; SANTOS, Lara Ferreira dos (Org.) Tenho um aluno surdo, e agora?: Introdução à LIBRAS e educação de surdos. São Carlos: EdUFCSCar, 2013. Cap. 14, p. 237-250.

GESSER, Audrei. LIBRAS? Que língua é essa? Crenças e preconceitos em torno da Língua de Sinais e da realidade surda. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

GOLDFELD, Márcia. A criança surda: Linguagem e cognição numa perspectiva sócio-interacionista. 2. ed. São Paulo: Plexus, 2002.

KENSKY, Vani Moreira. Tecnologias e tempo docente. Campinas, SP: Papirus, 2013.

MORAES, Moema Gomes. O perfil dos acadêmicos do curso de Licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás. In: TOSCHI, MirzaSeabra (Org). Docência nos ambientes virtuais de aprendizagem: múltiplas visões. UEG, Anápolis: 2013.

MORAN, J. M.; MASETTO, M. T.; BEHRENS, M. A. Novas tecnologias e mediação pedagógica. 21ª ed. Ver. e atual. Campinas, SP: Papirus, 2013.

PAIVA, G. X. P.. Português para surdos: uma via de mão dupla [manuscrito] / Gláucia Xavier dos Santos Paiva. - 2014. 105 f. :Il80

PUC. Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Letras. Disponível em:<http://sites.pucgoias.edu.br/home/wp-content/uploads/2013/10/Letras.pdf>Acesso em: 13 nov. 2014.

SCARTON, Gilberto. Guia de produção textual: assim é que se escreve... . Porto Alegre: PUCRS, FALE/GWEB/PROGRAD, 2002. Disponível em: http://www.pucrs.br/gpt. Acesso em: 13 nov. 2014

UFG. Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Letras. Disponível em: <https://www.letras.ufg.br/n/2097-matriz-curricular>Acesso em: 13 nov. 2014.

UFMT. Matriz curricular do Curso de licenciatura em Letras: habilitação em Língua Portuguesa, Inglesa e Literaturas. Disponível em:http://www.ufmt.br/ufmt/site/ensino/graduacao/Cuiaba. Acesso em: 13 nov. 2014

UNIRITTER. Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Letras-Inglês. Disponível em: www.uniritter.edu.br/graduacao/letras/ingles/index.php?secao=ementas. Acesso em: 13 nov. 2014.

UFMG. Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Letras-Inglês. Disponível em:› http://grad.letras.ufmg.br/arquivos.Acesso em: 13 nov. 2014.

Downloads

Publicado

2018-07-06

Como Citar

PAIVA, G. X. dos S.; FARIA, J. G.; CHAVEIRO, N. O ensino de libras nos cursos de formação de professores: desafios e possibilidades. Revista Sinalizar, Goiânia, v. 3, n. 1, p. 68–80, 2018. DOI: 10.5216/rs.v3i1.53145. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/revsinal/article/view/53145. Acesso em: 25 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos