Políticas linguísticas e a língua de sinais brasileira

Autores

  • Josmar Gonçalves Júnior Universidade Federal de Goiás (UFG). Goiânia, Goiás, Brasil
  • Yasmin Galvani Tonete Dórea Universidade Federal de Goiás (UFG). Goiânia, Goiás, Brasil
  • Marcos Kluber Kogut Universidade Federal de Goiás (UFG). Goiânia, Goiás, Brasil
  • Luiz Cláudio da Silva Souza Universidade Federal de Goiás (UFG). Goiânia, Goiás, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.5216/rs.v3i1.51571

Palavras-chave:

Plurilinguismo. Libras. Políticas linguísticas.

Resumo

Este estudo tem como objetivo apresentar algumas reflexões sobre as políticas lingüísticas e a Língua Brasileira de Sinais (Libras). Também aborda o plurilinguismo, na tentativa de identificar a relação entre línguas e poder. O que justifica tal empreitada é a percepção da necessidade de criação de políticas linguísticas que promovam a difusão da Libras, para que mais pessoas possam conhecê-la. A pesquisa foi realizada por meio de entrevistas com alunos surdos, estudantes do curso de Letras: Libras da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia. Espera-se que as considerações apresentadas possam contribuir para novas reflexões sobre o plurilinguismo, que é um fato em vários países, dentre os quais o Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Josmar Gonçalves Júnior, Universidade Federal de Goiás (UFG). Goiânia, Goiás, Brasil

Professor de Libras formado pela Universidade Federal de Goiás.

Yasmin Galvani Tonete Dórea, Universidade Federal de Goiás (UFG). Goiânia, Goiás, Brasil

Professora de Libras

Marcos Kluber Kogut, Universidade Federal de Goiás (UFG). Goiânia, Goiás, Brasil

Professor do departamento de Letras e Linguistica da Universidade Federal de Goiás.

Referências

ACOSTA, J. D.. “Políticas Linguísticas: do Plurilinguismo ao Monolinguismo - Existe democracia linguística?”. Junipampa: Jornal Universitário do Pampa. Bagé: UNIPAMPA, 2012. Disponível em: http://www.junipampa.net/2012/11/politicas-linguisticas-do.html . Acesso em: 22 abr. 2018.

ALMEIDA, Rita Heloísa. O diretório dos índios; um projeto de civilização no Brasil do século XVIII. Brasília: UnB, 1997.

BAGNO, Marcos. Preconceito lingüístico: o que é, como se faz. São Paulo: Edições Loyola, 2005.

BOBBIO, Norberto. Teoria Geral da Política: a filosofia política e as lições dos clássicos. Tradução de Daniela BeccacciaVersiani. Rio de Janeiro: Campus, Elsevier, 2000.

BRASIL. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Brasília, DF, 25 abr. 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/L10436.htm. Acesso em: 10 abr. 2018.

________. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras. Brasília, DF, dez. 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato20042006/2005/decreto /d5626.htm Acesso em: 10 abr. 2018.

________. Decreto Nº 7.387, de 9 de dezembro de 2010. Institui o Inventário Nacional da Diversidade Linguística e dá outras providências. Brasília, 2010. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/2010/decreto-7387-9-dezembro-2010-609640-publicacaooriginal-130955-pe.html Acesso em: 10 mai 2018.

MEDEIROS, A.. A Língua Portuguesa. DCA-UFRN, 2006. Disponível em: http://www.linguaportuguesa.ufrn.br/pt_3.4.d.php Acesso em 16 abr. 2018.

MENEZES, L. J.. “Plurilinguismo, Multilinguismo e Bilinguismo: Reflexões sobre a Realidade Linguística Moçambicana”. Revista PERcursos Linguísticos. V.3, N. 7 Vitória: UFES, 2013. Disponível em: http://periodicos.ufes.br/percursos/article/view/4589/4578. Acesso em: 15 abr. 2018.

GONÇALVES, P., Lusofonia em Moçambique: com ou sem glotofagia?.II Congresso Internacional de Linguística Histórica, São Paulo, 2012.Disponível em: http://www.catedraportugues.uem.mz/lib/docs/lusofonia_em_mocambique.pdf .Acesso em: 15 abr. 2018.

MOÇAMBIQUE, Instituto Nacional de Estatística. 2007. Disponível em: http://www.ine.gov.mz/. Acesso em 15 abr. 2018.

QUADROS, R. M.; CAMPELLO, A. R. S.. “Constituição política, social e cultural da Língua Brasileira de Sinais”. In: VIEIRA-MACHADO, L. M.; LOPES, M. C.. (Org.). Educação de Surdos: Políticas, Língua de Sinais, Comunidade e Cultura Surda. Santa Cruz: EDUNISC, 2010, p. 15-47.

Downloads

Publicado

2018-07-06

Como Citar

JÚNIOR, J. G.; DÓREA, Y. G. T.; KOGUT, M. K.; SOUZA, L. C. da S. Políticas linguísticas e a língua de sinais brasileira. Revista Sinalizar, Goiânia, v. 3, n. 1, p. 57–67, 2018. DOI: 10.5216/rs.v3i1.51571. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/revsinal/article/view/51571. Acesso em: 25 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos