Vocabulário da língua brasileira de sinais: contribuições no contexto nutricional

Autores

  • Vilma Rodrigues Cardoso Universidade Federal de Goiás (UFG). Goiânia, Goiás. Universidade de Brasília (UNB). Brasília, Goiás

DOI:

https://doi.org/10.5216/rs.v3i1.51200

Palavras-chave:

Criação de sinais. LSB. Neologismo. Nutrição. Terminologia.

Resumo

A ausência de sinais em áreas específicas traz alguns problemas para usuários e profissionais que atuam com a Língua Brasileira de Sinais (Libras). O uso excessivo da datilologia, interrupções na tradução/interpretação e inadequação de significados são alguns desses problemas. Este artigo é resultado de um projeto que teve o objetivo de preparar um glossário para a área da Nutrição, elaborando sinais para os termos: Carboidrato, Fibra, Metabolismo e Proteína, com a participação de uma docente surda e alunas do Curso de Letras: Tradução e Interpretação em Libras/Português, da Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia. O objetivo deste artigo é descrever a pesquisa, relatando as razões dessa iniciativa, as etapas para alcançar o objetivo proposto e as falhas ocorridas, além da validação e do uso atual desses sinais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vilma Rodrigues Cardoso, Universidade Federal de Goiás (UFG). Goiânia, Goiás. Universidade de Brasília (UNB). Brasília, Goiás

É pedagoga, graduada também em Letras: tradução/interpretação em LIBRAS/português. Especialista em Docência Universitária e Psicopedagoga. Mestre em Estudos da Tradução (UNB).  Possui experiência em docência no ensino superior e infantil, e na atuação de tradutora/intérprete de LIBRAS. Já atuou como professora de LIBRAS na FE (Faculdade de Educação - UFG), foi tutora da Faculdade Araguaia (EAD), professora na UEG (Universidade Estadual de Goás) e professora nos cursos de LIBRAS  no Cas (Centro de atendimento ao surdo). Atualmente trabalha como intérprete de LIBRAS na escola municipal Raimundo Coelho dos Santos. Atua ainda como professora convidada quando necessário, nas disciplinas de LIBRAS e INCLUSÃO no IPEC (Instituto de Pesquisa e Ensino - Catalão). Possui Certificação de Proficiência em Tradução e Interpretação de LIBRAS (MEC/CAS 2015).  Experiência e conhecimento na área de Fonoaudilogia (direcionados à surdez), na área de Educação Infantil, Alfabetização de surdos, Educação Inclusiva,  Psicologia da Aprendizagem e Pedagogia empresarial e hospitalar, assim como a Pedagogia em ambientes de socialização e em estudos da tradução.

Referências

ALVES, I. M. Neologismo: criação lexical. Série Princípios. São Paulo: Ática, 1990.

________. Formação e Classes de Palavras no Português do Brasil. São Paulo: Contexto, 2009. 38

Revista Sinalizar, Goiânia, v. 3, n. 1, p. 20-39, jan. / jun., 2018. ISSN: 2448-0797.

ARBOSA, M. A. Léxico, produção e criatividade: processos do neologismo. São Paulo: Global, 1981.

BARROS, M. E. ELiS: sistema brasileiro de escrita das ínguas de sinais. Porto Alegre: Penso, 2015. 1998.

BATTISON, R... “Phonological deletion in American Sign Language”. In: Sign Language Studies, v. 5, p.1-19, 1974.

BIDERMAN, M. T. C. Dimensões da palavra. Filologia e Linguística Portuguesa, n. 2, p. 81- 118, 1998.

DUTRA, Eliane Said [et al.]. Alimentação saudável e sustentável. Brasília: Universidade de Brasília, 2007. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/profunc/alimet_saud.pdf. Acesso em: 20 jul 2016.

BEZERRA, LG; CARDOSO, V. R; CAMARGO, A. A; OLIVEIRA, J. C. Dicionário específico: vocabulário saudável. Trabalho apresentado no IV Congresso Nacional de Pesquisas em Tradução e Interpretação de Libras e Língua Portuguesa. Disponível em: http://www.congressotils.com.br/anais/anais2014.html. Acesso em: 20 jul 2016.

BIDERMAN, Maria Tereza Camargo. Teoria linguística: teoria lexical e linguística computacional. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

FAULSTICH, E. Glossário de termos empregados nos estudos da Terminologia, da Lexicografia e da lexicologia. Inédito, Centro de Estudos Lexicais e Terminológicos (Centro Lexterm). Brasília: UnB, 2011.

________. E. Sinal-Termo. Nota lexical. Centro de Estudos Lexicais e Terminológicos (Centro Lexterm). Brasília: UnB, 2014.

FELIPE, Tanya Amara. Os processos de formação de palavra na Libras. ETD - Educação Temática Digital v. 7, n. 2, p. 200–217, 2006.

BRITO, L. F.. Por uma gramática de línguas de sinais. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro: UFRJ, Departamento de Lingüística e Filologia, 1995.

LIDDELL, S. K.; JOHNSON, R.E.. “American Sign Language: The Phonological Base”. In: Sign Language Studies, V. 64. Jan. 1989. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/242530098_American_Sign_Language_The_Phonological_Base Acesso em: 10 abr. 2018.

LIMA, V. L. S. Língua de Sinais: proposta terminológica para a área de desenho arquitetônico. Tese de Doutorado em Linguística aplicada. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2014. 39

MARINHO, M, L. O ensino da Biologia: o intérprete e a geração de sinais. Dissertação de Mestrado, Brasília, 2007.

NASCIMENTO, S. P. F. Representações lexicais da Língua de Sinais Brasileira: uma proposta lexicográfica. Tese de Doutorado em Linguística. Universidade de Brasília, Brasília, 2009.

QUADROS. R. M.; KARNOPP L. B. Língua de Sinais Brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre: Artmed, 2004.

STOKOE, William. “Sign Language Structure: an outline of the visual communication System of the American Deaf Studies” In: Linguistics, Buffalo 14, New York, v. 1, n. 8, p.3-78, abr. 1960.

The free dictionary by farlex. Disponível em: http://pt.thefreedictionary.com/fibra. Acesso em 28 ago. 2014.

TAKAHIRA, A. G. R.. “Questões sobre compostos e morfologia da LIBRAS”. Universidade de São Paulo (USP). Estudos Linguísticos, p. 262-276, jan-abr, 2012.

UFG. Dicionário: Vida Saudável. Disponível em:

https://www.youtube.com/watch?v=0UvgBR--5x8. Acesso em: 10 abr.2018.

WELKER, H. A. Dicionários: uma pequena introdução à lexicografia. Brasília: Theasaurs, 2004.

WERNER, R. La definición lexicográfica. In: HAENSCH, G. et al. Lexicografia: de la linguística teórica a la lexicografica practica (la). Madrid: Gredos, 1982.

Downloads

Publicado

2018-07-06

Como Citar

CARDOSO, V. R. Vocabulário da língua brasileira de sinais: contribuições no contexto nutricional. Revista Sinalizar, Goiânia, v. 3, n. 1, p. 20–39, 2018. DOI: 10.5216/rs.v3i1.51200. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/revsinal/article/view/51200. Acesso em: 25 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos