LEGENDAS E JANELAS: QUESTÃO DE ACESSIBILIDADE

Autores

  • Daniel Carvalho Silva UFG
  • Núbia Guimarães Faria UFG

DOI:

https://doi.org/10.5216/rs.v1i1.36156

Resumo

Em consonância às leis que contribuem com o direito dos surdos ao acesso às mídias televisionadas, este trabalho se propõe a refletir sobre o processo de recepção e compreensão dos surdos em relação aos programas televisivos e identificar suas preferências entre programas que apresentam legendas e os que têm janelas com intérpretes de Língua Brasileira de Sinais (Libras). Esse problema se coloca a partir do anseio da comunidade surda por ter respeitados seus direitos de acesso à cultura, ao lazer e a arte midiatizados por canais audiovisuais, que, em sua maioria, não disponibilizam legendas nem janelas. Ademais, busca-se evidenciar aspectos que contribuiriam não somente para o acesso, mas também para a aquisição da língua portuguesa e mesmo da Libras pelos surdos. Com o intuito de levantar uma amostra sobre o que surdos e intérpretes pensam sobre essas questões, foram aplicados dois questionários, o primeiro aos surdos e o segundo aos intérpretes de Libras. Este trabalho apresenta o resultado dessa pesquisa, feita a partir das informações coletadas nos questionários.

 

Palavras-chave: legendagem, janelas para intérpretes de Libras na TV, acessibilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Carvalho Silva, UFG

Licenciado em Filosofia (IFITEG, 2011);

Licenciado em Letras: Libras (UFG, 2015);

Pós-graduado em Libras (Eficaz, 2015).

Núbia Guimarães Faria, UFG

Licenciada em Pedagogia;

Licenciada em Letras-Libras (UFSC);

Docente do curso de Letras: Libras (UFG).

Referências

ABNT. NBR 15.604: Televisão Digital Terrestre: Receptores. Rio de Janeiro: ABNT, 2008.

ALMEIDA, Marcos Souza; Santos, Leonardo; Soares-Santos, Thiago Rodrigo; Cabral, Luciano. INCLUDIGITAL: uma proposta de acessibilidade para deficientes auditivos e visuais na educação regular. Anais da II Semana de ciência e tecnologia. Caruaru: IFPE, 17-21 outubro 2011. Disponível em: http://www.cin.ufpe.br/~lsc4/snct2011/files/SNCTIFPE_0004.pdf Acesso em: 06/06/13.

ASSIS, Amanda Cristina. A inserção de janela em língua de sinais em filme nacional e algumas consequências. Anais do Simpósio Profissão Tradutor 2010. Vol. 1, Nº 1 Out. 2011. Disponível em: http://www.scientiavinces.com/proftemrevista/files/DOCS/V1/AmandaCristinadeAssis.pdf Acesso em 24/11/12.

BARBOSA, Heloisa Gonçalves. Procedimentos técnicos da tradução. Campinas: Pontes, 1990.

BRASIL. Decreto 5.296, de 2 de Dezembro de 2004. Regulamenta as Leis nºs 10.048, de 8 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a implementação da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências.

______. A Lei nº 6.606, de 07 de Dezembro de 1978. Obriga as emissoras de televisão a incluir, nas suas programações semanais de filmes estrangeiros, um filme, pelo menos, com legenda em português.

______. Lei nº 10.048, de 8 de novembro de 2000. Dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e dá outras providências.

GOMES, Francisco Wellington Borges. O uso de filmes legendados como ferramenta para o desenvolvimento da proficiência oral de aprendizes de língua inglesa. 2006. 132f. Dissertação. (Mestrado) – Universidade Estadual do Ceará. Fortaleza, 2006.

GOROVITZ, Sabine. Os labirintos da tradução: a legendagem cinematográfica e a construção do imaginário. Brasília: Ed. da UNB, 2006.

LIMA, Ademar B. Ferreira; ROSELL, Avenir. Vocabulario de Términos Estenológicos. Montevideo: Impresora Cordo?n, 1977.

MACHADO, Flávia Oliveira. Comunicação acessível para o desenvolvimento inclusivo: a política de acessibilidade na televisão brasileira. Jun/2011. Disponível em: http://celacom.fclar.unesp.br/pdfs/49.pdf Acesso em: 18/08/13.

MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES. Portaria n. 310, de 27 de junho de 2006. Brasília. Disponível em: http://www.mc.gov.br/images/oministerio/legislacao/portarias/portaria-310.pdf. Acesso em: 13 jul. 2010.

NASCIMENTO, Marcus Vinícius Batista. Interpretação da libras no gênero jornalístico televisivo: elementos extralinguísticos na produção de sentidos. 2012. Disponível em: http://www.congressotils.com.br/anais/tils2012_discurso_nascimento.pdf Acesso em: 18/08/2013

REICHERT, André Ribeiro. Mídia televisiva sem som. 2006. 100f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2006.

SERRA, J. Paulo. Manual de teoria da comunicação. Covilhã: Labcom, 2007.

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL. Resolução nº 14.550 de 1º de Setembro de 1994. Disponível em: http://www.presp.mpf.mp.br/index.php?view=article&id=437%3Ares-tse-14550-94-prop-partida-tv-uso-libras&format=pdf&option=com_content&Itemid=72 Acesso em: 18/08/2013.

VIGATA, Helena S.; BARBOSA, Lúcia M. A. Quem arrancou essa planta do meu jardim? Argumentos a favor do uso de legendas interlinguais no ensino de língua estrangeira. Horizontes de Linguística aplicada. Vol. 8, Nº. 2. Brasília, 2009, p. 220-237.

Downloads

Publicado

2016-02-01

Como Citar

SILVA, D. C.; FARIA, N. G. LEGENDAS E JANELAS: QUESTÃO DE ACESSIBILIDADE. Revista Sinalizar, Goiânia, v. 1, n. 1, p. 65–77, 2016. DOI: 10.5216/rs.v1i1.36156. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/revsinal/article/view/36156. Acesso em: 27 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos