Sobre a Revista

Foco e Escopo

A Revista Sinalizar é uma publicação do Curso de Letras: Libras e do Curso de Letras: Tradução e Interpretação em Libras/Português da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Goiás (UFG) e permite livre acesso aos textos nela publicados. Foi idealizada com o propósito de tornar-se um espaço de acolhimento e divulgação de artigos, resenhas, traduções e entrevistas relacionados a temas como: línguas de sinais, Libras, tradução e interpretação entre línguas de sinais e línguas orais, Elis (escrita de sinais) e Educação de Surdos. O formato da revista destina setenta por cento de seu espaço para contribuições externas e todos os textos são submetidos à avaliação de seus pareceristas ou conselheiros. Veja as regras de submissão clicando em "Diretrizes para Autores" na abra "Sobre".

Processo de Avaliação pelos Pares

A seleção de trabalhos para publicação é feita em duas etapas. Na primeira, o texto é avaliado pela Comissão Editorial, que faz uma análise prévia de conteúdo e forma, para verificar se o artigo atende às exigências da política editorial da Revista e segue as normas de publicação. Aprovado na primeira etapa, o trabalho é enviado para dois pareceristas ad hoc, em um sistema de avaliação double blind (duplo-cego). Apenas os trabalhos aprovados pelos dois pareceristas serão encaminhados para publicação. Em casos de extrema discordância entre os pareceres, uma terceira avaliação é solicitada.

Periodicidade

Anual (fluxo contínuo).

Histórico do periódico

Lançada em 2016, a Revista Sinalizar é uma publicação do Curso de Letras Libras e do Curso de Letras: Tradução e Interpretação em Libras/Português da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Goiás (UFG), que tem divulgado artigos sobre: línguas de sinais, Libras, tradução e interpretação entre línguas de sinais e línguas orais, ELiS (escrita de sinais), Literatura Surda, Educação de Surdos e temas afins. Em 2017 a Revista Sinalizar recebeu classificação Qualis B4 e, em 2018, passou a Qualis B1. A partir de 2019, a publicação deixou de ser semestral, passando a “fluxo contínuo”.