ARTE COMO PROMOTORA DE SAÚDE NA TERCEIRA IDADE: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

Autores

  • Carla Maria Lima Santos Universidade do Estado da Bahia
  • Suélem Maria Santana Pinheiro Ferreira
  • Carla Santos Almeida
  • Filipe Celso Santos de Jesus
  • Ivana de Fátima Oliveira Silva
  • Jaiara de Souza
  • Jaqueline Sales de Oliveira
  • Jecica dos Santos Xavier
  • Larissa da Cruz Cardoso
  • Luís Carlos da Silva Passos
  • Ricardo Loreno Souza da Silva
  • Suele da Conceição Ribeiro

DOI:

https://doi.org/10.5216/revufg.v17i20.51742

Resumo

O envelhecimento populacional representa um grande desafio para os serviços de saúde, devido ao estigma imputado à população idosa, que é destituída do seu papel social. Nesse sentido, faz-se necessário repensar as práticas de saúde voltadas a esse grupo, o que atravessa desde a formação profissional até a educação permanente do trabalhador da saúde. Práticas artísticas têm se mostrado potencializadoras da promoção de saúde, qualidade de vida e (re)inserção do idoso no meio social. Este artigo tem o objetivo de relatar a experiência de intervenção comunitária realizada por extensionistas, graduandos de seis cursos de saúde de uma universidade no estado da Bahia, com idosos da Universidade Aberta à Terceira Idade. Foram utilizadas ferramentas estratégicas que exploraram as competências mentais e sensoriais dos idosos. Observou-se que a arte, intricada ao compartilhamento de experiências intergeracionais, têm impacto positivo no estímulo à autoestima dos idosos, bem como na (re)construção do seu papel social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ASSIS, L. P. P.; AMARAL, M. L. N. Envelhecimento e suporte social. Atividade física, envelhecimento e a manutenção da saúde. Uberlândia: EDUFU, p. 207-217, 2010.

BALDIN, T.; MAGNABOSCO-MARTINS, C. R. Oficinas artísticas na Universidade Aberta Para A Terceira Idade: contribuições para a qualidade de vida de idosos. Revista Conexão UEPG, Ponta Grossa, v. 11, n. 1. Jan/Abr. 2015.

BENEDETTI, T. B.; PETROSKI, E. L.; GONÇALVES, L. T. Exercícios físicos, auto-imagem e auto-estima em idosos asilados. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desenvolvimento Humano, v. 5, n. 2, p. 69-74, 2003.

BIGOSSI, F. “O Segredo é não Parar”: estudo antropológico sobre as concepções do trabalho entre idosos em Maués–AM e Veranópolis–RS. ILUMINURAS, v. 13, n. 30. 2012.

BOCCALANDRO, M. P. R. Transtorno de ansiedade e síndrome do pânico: uma visão multidisciplinar. São Paulo: Editora Manole, 2016.

BRASIL, Ministério da Saúde. PORTARIA Nº 2.528 DE 19 DE OUTUBRO DE 2006. Aprova a Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa. Brasília, DF, 19 out. 2006.

CASTRO, P. C. et al. Influência da universidade aberta da terceira idade (UATI) e do programa de revitalização (REVT) sobre a qualidade de vida de adultos de meia-idade e idosos. Rev. bras. fisioter., São Carlos, v. 11, n. 6, p. 461-467, Dez. 2007.

COMBINATO, D. S. et al. "Grupos de Conversa": saúde da pessoa idosa na estratégia saúde da família. Psicol. Soc., Florianópolis, v.22, n.3, p.558-568, Dez. 2010.

COQUEIRO, N. F.; VIEIRA, F. R. R.; FREITAS, M. M. C. Arteterapia como dispositivo terapêutico em saúde mental. Acta. Paul. Enferm., v. 23, n. 6, p. 62-859, 2010.

DEBERT, G.G. A construção e a reconstrução da velhice: família, classe social e etnicidade. In: NERI, A.L.; DEBERT, G.G. (Orgs.). Velhice e sociedade. Campinas, Papirus, 1999.

FERNANDES, M. T. O.; SOARES, S. M. O Desenvolvimento de Políticas Públicas de Atenção ao Idoso no Brasil. Rev. Esc. Enferm. USP, v. 46, n. 6, p. 1494-1502, 2012.

FONTES, A. As artes enquanto estratégias de intervenção da animação sociocultural na terceira idade. Rede Iberoamericana de Animação Sociocultural, Escola Superior de Educação e Ciências Socias/IPLeiria, n.22, p. 1-13, 2015.

FRANÇA, L.H. F. P.; SILVA, A. M. T. B.; BARRETO, M. S. L. Programas intergeracionais: quão relevantes eles podem ser para a sociedade brasileira?. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, v. 13, n. 3, 2010.

GOMES, H. M. et al. Extensão universitária: a arte de cuidar de idosos. Rev. Ciênc. Saúde Nova Esperança, v. 12, n. 1, p. 22-33, jun. 2014.

GUEDES, M. H. M.; GUEDES, H. M.; DE ALMEIDA, M. E. F. Efeito da prática de trabalhos manuais sobre a autoimagem de idosos. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 14, n. 4, p. 731-742, 2011.

JEZINE, E. As práticas curriculares e a extensão universitária. In: Congresso Brasileiro de Extensão Universitária. Belo Horizonte: UFPB, p. 1-5, 2004.

LAMI, D. M. Arte e Educação. UNISAL. 2009. Disponível em: <http://www.lo.unisal.br/nova/estagio/arquivos/relatorio_debora.pdf>. Acesso em: 14 fev. 2018.

LOPONTE, L. G. Arte/educação/arte: afinal, quais são as nossas inquietudes?. In: Ângela Dalben; Júlio Diniz; Lucíola Santos. (Org.). Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente. 1ed., v.1, p. 226-244. Belo Horizonte – MG: Autêntica, 2010.

MALLMANN, D.G. et al. Educação em saúde como principal alternativa para promover a saúde do idoso. Ciência & Saúde Coletiva, v. 20, n. 6, p. 1763-1772, 2015.

MARCELLINO, N.C. Lazer: concepções e significados. Licere, Belo Horizonte, v.1, n.1, p.37-43, 1998.

MATUS, C. Adeus, senhor Presidente. Governantes governados. São Paulo: Edições Fundap, 1996.

MELO, M. C. et al. A educação em saúde como agente promotor de qualidade de vida para o idoso. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 14, supl. 1, p. 1579-1586, Out. 2009.

MOTTA, L. B.; AGUIAR, A. A. Novas competências profissionais em saúde e o envelhecimento populacional brasileiro: integralidade, interdisciplinaridade e intersetorialidade. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 12, n. 2, p. 363-372, abr. 2007.

MOTTA, L. B.; CALDAS, C. P.; ASSIS, M.. A formação de profissionais para a atenção integral à saúde do idoso: a experiência interdisciplinar do NAI - UNATI/UERJ. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 13, n. 4, p.1143-1151, Ago. 2008.

MOURTHE JUNIOR, C. A.; LIMA, V. V.; PADILHA, R. Q. Integrando emoções e racionalidades para o desenvolvimento de competência nas metodologias ativas de aprendizagem. Interface (Botucatu), Botucatu, 2017.

NIETZSCHE, F. O nascimento da tragédia ou helenismo e pessimismo. 2 ed. São Paulo: Editora Companhia das Letras, 2007.

OLIVEIRA, R.C. et al. Mudanças sociais e saberes: o papel da educação na terceira idade; Revista Brasileira de Ciências do Envelhecimento Humano, Rio Grande do Sul, v.6, n. 3. p. 382-392, set./dez. 2009.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Envelhecimento ativo: uma política de saúde. Brasília: Organização Pan-Americana de Saúde, 2005. 61p.

REIS, L. A. et al. Suporte familiar, social, condições de saúde e sociodemográficas em idosos.

Revista Baiana de Enfermagem, Salvador, v. 28, n. 2, p. 176-185, maio/ago. 2014.

RILEY, S. Arteterapia Para Familias Abordagens Integrativas. 1 ed. São Paulo: Summus Editorial, 1998.

ROQUE, Francelise Pivetta et al . Perfil socioeconômico-cultural de uma universidade aberta à terceira idade: reflexo da realidade brasileira?. Rev. bras. geriatr. gerontol., Rio de Janeiro , v. 14, n. 1, p. 97-108, Mar. 2011.

SANTOS, M. V. O processo participativo de idosos através de experiências e práticas do movimento de educadores populares. Rev APS, v.14, n. 4, p. 378-388. 2011.

SCHNEIDER, R. H.; IRIGARAY, T. Q. O envelhecimento na atualidade: aspectos cronológicos, biológicos, psicológicos e sociais. Estudos de Psicologia, Campinas- SP, v.25, n. 4, p. 585-593, out/dez. 2008.

TEIXEIRA, C. F. Enfoques teórico-metodológicos do Planejamento em Saúde. In: ______. Planejamento em Saúde: Conceitos, Métodos e Experiências. Salvador. EDUFBA, p.17-32, 2010.

TEIXEIRA, C. F.; VILASBÔAS, A. L. Q.; JESUS, W. L. A. Proposta Metodológica para o Planejamento no Sistema Único de Saúde. In: TEIXEIRA, C. Planejamento em Saúde: Conceitos, Métodos e Experiências. Salvador. EDUFBA, 2010, p. 51-74.

TERRA, N. L.; Envelhecimento e suas múltiplas áreas do conhecimento. Edipucrs, 2016.

VALER, D. B. et al. O significado de envelhecimento saudável para pessoas idosas vinculadas a grupos educativos. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, v.18, n 4, 2015.

VASCONCELOS, E. M. Educação popular: de uma prática alternativa a uma estratégia de gestão participativa das políticas de saúde. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 14, n. 1, p. 67-83, 2004.

XAVIER, A. S.; KOIFMAN, L. Educação superior no Brasil e a formação dos profissionais de saúde com ênfase no envelhecimento. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 15, n. 39, p. 973-984, dez. 2011.

Downloads

Publicado

2018-08-06

Como Citar

SANTOS, C. M. L.; PINHEIRO FERREIRA, S. M. S.; ALMEIDA, C. S.; DE JESUS, F. C. S.; SILVA, I. de F. O.; SOUZA, J. de; DE OLIVEIRA, J. S.; XAVIER, J. dos S.; CARDOSO, L. da C.; PASSOS, L. C. da S.; DA SILVA, R. L. S.; RIBEIRO, S. da C. ARTE COMO PROMOTORA DE SAÚDE NA TERCEIRA IDADE: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA. Revista UFG, Goiânia, v. 17, n. 20, 2018. DOI: 10.5216/revufg.v17i20.51742. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/revistaufg/article/view/51742. Acesso em: 1 jul. 2022.

Edição

Seção

Artigos