Determinantes da duração das interrupções no fornecimento de energia elétrica no Estado de Goiás

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/reoeste.v6i2.66401

Palavras-chave:

Qualidade de Energia Elétrica, Decomposição de Oaxaca, Estado de Goiás

Resumo

O objetivo deste artigo é investigar se fatores ambientais, institucionais, estruturais e sazonais têm impacto sobre a duração das interrupções de energia no Estado de Goiás e se há diferenças entre esses impactos para a Região Metropolitana de Goiânia (REMG) e o interior do estado. Para tanto, utilizou-se da análise de regressão múltipla, via decomposição de Oaxaca (1973). Os principais resultados sugerem que os fatores investigados impactam a qualidade da energia elétrica, apontando também diferenças significativas entre as durações das interrupções no interior e na REMG, sendo mais baixa neste grupo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, L. C.; ARAÚJO, A. E. A.; MIRANDA, G. C. Afundamentos de Tensão Provocados por Descargas Atmosféricas Indiretas. Simpósio Brasileiro de Sistemas Elétricos, SBSE, 2008.

ANEEL. PRODIST - Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional, Brasília, DF, Janeiro 2017. Acesso em: 22 Jan. 2017.

ANEEL – AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA. Disponível em: <http://www.aneel.gov.br/>. 2018. Acesso em: 10 maio 2018.

CARNEIRO, C. A. B. D. Terceirização e salário-eficiência: o caso do Brasil. 2016.

CARVALHO, A. F. R. Um modelo de avaliação da qualidade no atendimento ao consumidor de energia elétrica aplicado na área comercial da Ceron. Santa Catarina: Dissertação (Mestrado), Universidade Federal de Santa Catarina, 2003.

CHALLERTON, B. G. Network reability measurement, reporting, benchmarking and alignment with international practices. ESKON, África do Sul, 2004.

CHOW, M.; TAYLOR, L. S. Analysis and prevention of animal-caused faults in power distribution systems. IEEE Transactions on Power delivery, v. 10, n. 2, p. 995-1001, 1995.

DECKMANN, S. M. Avaliação da Qualidade da Energia Elétrica. Campinas: Tese (Doutorado), Universidade de Campinas, 2010.

DOHMEN, T.; FALK, A.; HUFFMAN, D.; SUNDE, U.; SCHUPP, J.; WAGNER, G. G. Individual risk attitudes: Measurement, determinants, and behavioral consequences. Journal of the European Economic Association, v. 9, n. 3, p. 522-550, 2011.

FUMAGALLI, E; SCHIAVO, L; DELESTRE, F. Service quality regulation in electricity distribution and retail. Springer Science & Business Media, 2007.

GOIÁS, ESTADO DE. Enel anuncia R$ 2,128 bilhões em investimentos na Celg Distribuição. Disponível em: http://www.goias.gov.br/noticias/19427-enel-anuncia-r-2128-bilhoes-em-investimentos-na-celg-distribuicao.html. 2017. Acesso em: 18 jun. 2018.

HASSIN, E. S. Continuidade dos serviços de distribuição de energia elétrica: análise regulatória, correlação dos indicadores e metodologia de compensação ao consumidor. 2003. Tese de Doutorado. Universidade Federal do Itajubá.

HERMAN, R.; GAUNT, C. T.; TAIT, L. On the adequacy of electricity reliability indices in South Africa. In: Proceedings of the South African Universities Power Engineering Conference, Johannesburg. 2015. p. 28-30.

JAMASB, T.; POLLITT, M. L. Benchmarking and regulation: international electricity experience. Utilities Policy, v. 9, n. 3, p. 107-130, 2000.

MASEMBE, Angela. Reliability benefit of smart grid technologies: A case for South Africa. Journal of Energy in Southern Africa, v. 26, n. 3, p. 2-9, 2015.

MATOS, R. S.; MACHADO, A. F. Diferencial de rendimento por cor e sexo no Brasil (1987-2001). Econômica, v. 8, n. 1, p. 5-27, 2006.

MELIOPOULOS, A. P. S. et al. Power distribution practices in USA and Europe: Impact on power quality. In: Harmonics and Quality of Power Proceedings, 1998. Proceedings. Eighth International Conference On. IEEE, 1998. p. 24-29.

MONSUETO, S. E.; SIMÃO, R. C. S. The impact of gender discrimination on poverty in Brazil. Cepal Review, 2008.

OAXACA, R. Male-female wage differentials in urban labor markets. International economic review, p. 693-709, 1973.

OAXACA, Ronald L.; RANSOM, Michael R. On discrimination and the decomposition of wage differentials. Journal of econometrics, v. 61, n. 1, p. 5-21, 1994.

PESSANHA, J. F. M.; SOUZA, R. C.; LAURENCEL, L. C. Um modelo de análise envoltória de dados para o estabelecimento de metas de continuidade do fornecimento de energia elétrica. Pesquisa Operacional, Rio de Janeiro, 27, n. 1, Abr. 2007. 51-83.

RUESGA, S. M.; BICHARA, J. S.; MONSUETO, S. E. Movilidad laboral, informalidad y desigualdad salarial en Brasil. Investigación económica, v. 73, n. 288, p. 63-86, 2014.

SAYER, L. C.; BIANCHI, S. M.; ROBINSON, J. P. Are Parents Investing Less in Children? Trends in Mothers’ and Fathers’ Time with Children 1. American journal of sociology, v. 110, n. 1, p. 1-43, 2004.

SILVA, M. P. C.; LEBORGNE, R. C.; ROSSINI, E. A Influência da Metodologia de Regulação nos Indicadores de Continuidade DEC e FEC. V Simpósio Brasileiro de Sistemas Elétricos. Foz do Iguaçu: SBSE. 2014.

STEINER, M. T. A. et al. Técnicas da Pesquisa Operacional aplicadas à Logística de Atendimento aos Usuários de uma Rede de Distribuição de Energia Elétrica. Sistemas & Gestão, Niterói, 1, n. 3, Dez. 2006. 229-243.

TER-MARTIROSYAN, A.; KWOKA, J. Does Incentive Regulation Compromise Service Quality? The Case of US Electricity Distribution. Northeastern University working paper, 2008.

WEYMAN-JONES, T. The theory of energy economics: an overview. In: HUNT, L. C.; EVANS, J. International handbook on the economics of energy. Cheltenham, UK: Edward Elgar Publishing, 2009. Cap. 2, p. 20-50.

XU, L.; CHOW, M. A classification approach for power distribution systems fault cause identification. IEEE Transactions on Power Systems, v. 21, n. 1, p. 53-60, 2006

Downloads

Publicado

04-04-2021

Como Citar

de Souza Lauro, M. E. (2021). Determinantes da duração das interrupções no fornecimento de energia elétrica no Estado de Goiás. Revista De Economia Do Centro-Oeste, 6(2), 42–58. https://doi.org/10.5216/reoeste.v6i2.66401

Edição

Seção

Artigos