Diálogo intercultural no agreste e sertão pernambucanos: o Povo Pankará e os/ãs Artesãos/ãs do Alto do Moura

Autores

  • Jaqueline Barbosa da Silva Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Recife, Pernambuco, Brasil. E-mail: jaqueline.barbosa@ufpe.br. https://orcid.org/0000-0002-0305-9716
  • Everaldo Fernandes da Silva Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Recife, Pernambuco, Brasil. E-mail: everaldofernandes.silva@gmail.com https://orcid.org/0000-0002-8974-0878
  • Maria Luciete Lopes Coordenadora da Gestão da Educação Escolar Indígena– Povo Pankará. E-mail: lucietepankara@hotmail.com
  • William Francisco da Silva Secretaria Municipal de Educação de Arcoverde, Arcoverde, Pernambuco, Brasil. E-mail: william2007silva@hotmail.com

DOI:

https://doi.org/10.5216/racs.v6.67758

Palavras-chave:

PIBID Diversidade. Povo Pankará. Artesãos/ãs do Alto do Moura. Interculturalidade. Narrativas Autobiográficas.

Resumo

O presente trabalho enseja evidenciar um diálogo intercultural entre as cosmovisões dos/as artesãos/ãs do Alto do Moura - Caruaru/PE e do Povo Pankará, cuja percepção é resultado dos desdobramentos do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência para a Diversidade (PIBID Diversidade), do projeto de pesquisa Professores Indígenas de Pernambuco: formação, pesquisa e prática pedagógica, das rodas de diálogo com os referidos ceramistas e, teoricamente, das lentes dos estudos pós-coloniais (ESCOBAR, 2003; MIGNOLO, 2007; MALDONADO-TORRES, 2007). A dinâmica do PIBID Diversidade, do Campus Agreste da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), tem assento, neste trabalho, nas práticas formativa e educativa do Povo Pankará e dos/as artesãos/ãs do Alto do Moura. Este caminho foi, paritariamente, construído em articulação com a Comissão dos Professores Indígenas de Pernambuco (COPIPE), os/as artesãos/ãs do Alto do Moura, os/as participantes indígenas do PIBID Diversidade e colaboradores/as vinculados à universidade. As estratégias metodológicas utilizadas filiam-se às perspectivas do movimento recursivo, rompendo com a linearidade colonialista das ações societárias que privilegiam os saberes escolares urbanocêntricos e governamentais. O acesso às cosmovisões do Povo Pankará e os contatos intersubjetivos dos/as artesãos/ãs do Alto do Moura revelaram as práticas educativas e a produção do conhecimento popular promovendo um olhar crítico-propositivo no e do grupo dos/as participantes indígenas e artesãos/ãs. Em ambos contextos, dos saberes indígenas e artesãos/ãs, as cosmovisões e formações distintas complementam-se, com assento, seja na valorização e respeito aos saberes tradicionais, seja, na oralidade e no cotidiano, cujas percepções e juízos de valor são herdados e transmitidos individual e coletivamente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARROYO, Miguel González. Outros sujeitos, outras pedagogias. 2. ed., Petrópolis: Vozes, 2014.

BARDIN, Laurenci. Análise de conteúdo. Tradução: Luís Antero Reto. São Paulo: Edições 70, 2016.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é Educação Popular. Col. Primeiros Passos, n. 318, São Paulo: Brasiliense, 2012.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília/DF, 5 de outubro de 1988.

DOSSE, F. O desafio biográfico. Escrever uma vida. Tradução Gilson César C. de Souza, São Paulo: Edusp, 2009.

FREIRE, P. Educação e mudança, 31. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2008.

KINCHELOE, J. L.; MACLAREN, P. Repensando a teoria crítica e a pesquisa qualitativa. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2008. p. 281-313.

FONSECA, A. M.; MEDEIROS, M. O. Currículo em Alternância: uma nova perspectiva para a Educação do Campo. In: QUEIROZ, J. B. P. et al. (Org.). Pedagogia da Alternância: construindo a Educação do Campo. 1. ed. Goiânia: Editora da UCG; Brasília: Ed. Universa, 2006.

MALDONADO-TORRES, Nelson. Sobre la colonialidad del ser: contribuicones al desarrollo de um concepto. El Giro Decolonial: reflexiones para una diversidade epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores, 2007.

MIGNOLO, W. Desobediencia epistémica: retórica de la modernidad, lógica de la colonialidad y gramática de la descolonialidad. Buenos Aires: Ediciones del Signo, 2010.

__________. El Pensamiento Decolonial. El Giro Decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores, 2007. p. 25-46.

PANKARÁ. Projeto Político Pedagógico das Escolas Pankará. Serra do Arapuá, Carnaubeira da Penha/ PE, 2007.

PASSEGGI, Maria da Conceição. Narrativas da experiência na pesquisa-formação: do sujeito epistêmico ao sujeito biográfico. Roteiro, Joaçaba, v. 41, n. 1, jan./abr. 2016. pp. 67-86.

RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa, v. 1, Campinas (SP): Papirus, 1994.

SANTAMARINA, C. MARINAS, J. M. Histórias de vida e história oral. In: Delgado, J. M., & Gutiérrez, J. (Coords.). Métodos y técnicas cualitativas de investigación en ciencias sociales. Madrid: Síntesis, 1994.

SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula (Orgs.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010.

________. A crítica da razão indolente. Contra o desperdício da experiên¬cia. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

SANTOS, Maria do Carmo Gonçalo. As contribuições do currículo da formação para a prática pedagógica docente com gênero e sexualidade na educação básica. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, UFPE, 2016.

SILVA, Everaldo Fernandes da. Processos aprendentes e ensinantes dos/as artesãos/ãs do

Alto do Moura: tessitura de vida e formação, Tese de Doutorado, Programa de Pós-

Graduação em Educação, UFPE, 2011.

SILVA, Jaqueline Barbosa da; SILVA, Everaldo Fernandes da Silva. Experiência e

processos formativos na rede indígena de Pernambuco: o Pibid Diversidade e as Leituras

Decoloniais, Revista Interritórios, V. 1, N. 1, UFPE-Caruaru/PE, Brasil, 2015. Disponível

em: <http: https://periodicos.ufpe.br/revistas/interritorios/article/view/5014>. Acesso em:

nov./2020.

______; ______; FALCÃO, Lúcia Barbosa. Vozes do PIBID Diversidade: epistemologias em diálogo, Revista Interritórios, v. 4, n. 7, 2018. Disponível em: <https://periodicos.ufpe.br/revistas/interritorios/issue/view/2694>. Acesso em: maio/2020.

WANDERLEY, L. E. Educação Popular: metamorfoses e veredas. São Paulo: Cortez, 2010.

WALSH, Catherine. Interculturalidad y (de)colonialidad: Perspectivas críticas y políticas. Visão Global, Joaçaba, v. 15, n. 1-2, p. 61-74, jan./dez. 2012.

YOUNG, Michael, F. D. O Futuro da educação em uma sociedade de conhecimento: o argumento radical em defesa de um currículo centrado em disciplinas. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, v. 16, n. 48, p. 609-623, set./dez. 2011.

Downloads

Publicado

16-07-2021

Como Citar

Silva, J. B. da, Silva, E. F. da, Lopes, M. L., & Silva, W. F. da. (2021). Diálogo intercultural no agreste e sertão pernambucanos: o Povo Pankará e os/ãs Artesãos/ãs do Alto do Moura. Articulando E Construindo Saberes, 6. https://doi.org/10.5216/racs.v6.67758