Reflexos no Abebé de Oxum: por uma narrativa mítica insubmissa e uma pedagogia transgressora

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/racs.v5i.63860

Palavras-chave:

Mitologia dos Orixás, Oxum, Plurisaberes, Pedagogia transgressora

Resumo

Neste artigo, foi aberta uma comunicação com o mito de Oxum, Orixá de energia feminina do candomblé afro-brasileiro que permitiu discussões sobre os múltiplos processos de articulação e construção de saberes não hegemônicos. A mitologia dos Orixás, com todo o conjunto de signos, significados e simbologias que são subjetivamente construídos, contém uma linguagem e uma performance que contribuem para a consolidação de aspectos culturais responsáveis pela constituição de filiações e pertencimentos, gerando um ethos particular extremamente complexo. Neste manuscrito, por meio de uma descrição de uma narrativa mítica de Oxum, é revelada uma epistemologia subalternizada que padece contemporaneamente com cruéis processos de epistemicídios e ontoepistemicídios, mas que segue sendo insurgente, transgressora e insubmissa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana de Oliveira Dias, Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, Goiás, Brasil

Pós-doutora em Direitos Humanos e Interculturalidades pela Universidade de Brasília - UnB (Supervisão de Rita Laura Segato). Possui Doutorado e Mestrado em Ciências Sociais pela UnB e Graduação (bacharelado e licenciatura) em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Goiás - UFG. Realizou Estágio Doutoral em Educação Intercultural na Universidad Nacional Autónoma de México - UNAM. Associada a: ABA (Associação Brasileira de Antropologia); ANDHEP (Associação Nacional de Direitos Humanos, Pesquisa e Pós-Graduação); SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência); ABPN (Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as); CONIR-GO (Conselho Estadual da Promoção da Igualdade Racial); e IPSA (International Political Science Association). Atualmente é Professora Adjunta da Educação Intercultural (Núcleo Takinahaky - UFG) e do Mestrado Interdisciplinar em Direitos Humanos (PPGIDH-UFG). É também coordenadora do Coletivo Rosa Parks: Estudos e Pesquisas sobre Raça, Etnia, Gênero, Sexualidade e Interseccionalidades - UFG; e, Coordenadora de Pesquisa do Núcleo de Direitos Humanos - NDH-UFG.

Referências

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. O Perigo de uma História Única. Tradução Júlia Romeu. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

ALMEIDA, Maria Inez Couto de. Cultura Iorubá: costumes e tradições. Rio de Janeiro: Dialogarts, 2006.

BENISTE, José. Órun Áiyé: o encontro de dois mundos: o sistema de relacionamento nagô-yorubá entre o céu e a terra. 10. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.

BUTLER. Judith. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

BUTLER. Judith. Mito e Linguagem Social. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1970.

CARNEIRO, Sueli. A Construção do Outro como Não-Ser como Fundamento do Ser. 2005. 274f. Tese (Programa de Pós-Graduação em Educação) – Universidade de São Paulo / USP. São Paulo. 2005.

CORREIA, Paulo Petronílio. Agô, Orixá! Gestão de uma jornada afro-estética-trágica: o relato de um aprendizado e de uma formação pedagógica vivida no candomblé. 2009. 266 f. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federal do Rio Grande do Sul. RS. 2009.

ELIADE, Mircea. Tratado de História das Religiões. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

ELIADE, Mircea. Mito e Realidade. São Paulo: Perspectiva, 1972.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

HOOKS, bell. Ensinando a transgredir: a Educação como prática de liberdade. São Paulo: Editora Martins Fontes, 2013.

KUJAWASKI, Gilberto de Mello. O Sagrado Existe. São Paulo: Ática, 1994.

LÉVI-STRAUSS, Claude. O cru e o cozido. Mitológicas 1. & Do mel às cinzas. Mitológicas 2. São Paulo: CosacNaify, 2004.

MAUSS, Marcel. Sociologia e Antropologia. São Paulo: EPU, 1974.

PRANDI, Reginaldo. Ifá, o advinho: histórias dos deuses africanos que vieram para o Brasil com os escravos. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

PRANDI, Reginaldo. Mitologia dos orixás. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

RIBEIRO, Ronilda Iyakemi. Alma Africana no Brasil: Os Iorubás. São Paulo: Editora Oduduwa, 1996.

RIOS, Alan. Religiões de matriz africana são alvos de 59% dos crimes de intolerância. Correio Brasiliense. Brasília: 11/11/2019. Disponível em: https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2019/11/11/interna_cidadesdf,805394/religioes-de-matriz-africana-alvos-de-59-dos-crimes-de-intolerancia.shtml

SEGATO, Rita Laura. Santos e Daimones: o politeísmo afro-brasileiro e a tradição arquetipal. 2. ed. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2005.

SILVA, Vagner Gonçalves. Candomblé e Umbanda: caminhos da devoção brasileira. 2. ed. São Paulo: Selo Negro, 2005.

Downloads

Publicado

20-10-2020

Como Citar

Dias, L. de O. (2020). Reflexos no Abebé de Oxum: por uma narrativa mítica insubmissa e uma pedagogia transgressora. Articulando E Construindo Saberes, 5. https://doi.org/10.5216/racs.v5i.63860