Organização Social de Educação em Goiás: incertezas e contradições

Autores

  • Fábio Araujo de Souza Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil, fabioaraujodesouza@yahoo.com.br
  • Maria Marta Lopes Flores Universidade Federal de Goiás - Regional Catalão (UFG/RC), Catalão, Goiás, Brasil, floresmariamartalopes@gmail.com

DOI:

https://doi.org/10.5216/rpp.v16i2.56170

Resumo

Este artigo analisa o processo de implantação da gestão compartilhada entre uma Organização Social de Educação e a Secretaria de Estado de Educação, Cultura e Esporte, na rede estadual de ensino de Goiás. A partir de 2015 o governo estadual de Goiás iniciou o processo de implantação da gestão compartilhada na rede pública de ensino. Foram lançados seis editais de chamamento público para a implantação da gestão compartilhada. A tensão provocada por pesquisadores, movimentos sociais, sindicato e o Poder Judiciário tem evitado a implantação dessa parceria na rede pública de ensino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fábio Araujo de Souza, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil, fabioaraujodesouza@yahoo.com.br

Pós-doutor em educação pela Universidade Federal de Goiás-Regional Catalão

Doutor em educação pela Universidade de São Paulo

Mestre em educação, comunicação e cultura nas periferias urbanas pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Pedagogo em Gestão do Sistema Escolar pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Maria Marta Lopes Flores, Universidade Federal de Goiás - Regional Catalão (UFG/RC), Catalão, Goiás, Brasil, floresmariamartalopes@gmail.com

 

Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFG-RC

Professora da UFG-RC

Pós-doutora em educação pela UFSCAR

Doutora em educação pela UNIMEP

Mestre em educação pela UFU

Pedagoga pela PUC-GO

Downloads

Publicado

2019-01-21

Como Citar

DE SOUZA, F. A.; FLORES, M. M. L. Organização Social de Educação em Goiás: incertezas e contradições. Poíesis Pedagógica, Goiânia, v. 16, n. 2, p. 55–66, 2019. DOI: 10.5216/rpp.v16i2.56170. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/poiesis/article/view/56170. Acesso em: 30 jun. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)