DO DIÁLOGO FREIRIANO AO PENSAR ARENDTIANO: REVERBERAÇÕES PARA FORMAÇÃO DA ÉTICA DOCENTE

Autores

  • Daniella Ribeiro do Vale e Silva Vieira Universidade Vale do Sapucaí (UNIVAS), Pouso Alegre, Minas Gerais, Brasil, daniellarvsv@gmail.com
  • Sônia Aparecida Siquelli Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL), Alfenas, Minas Gerais, Brasil, soniacsiquelli@gmail.com http://orcid.org/0000-0002-8992-1898
  • Armindo Quillici Neto Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Uberlândia, Minas Gerais, Brasil, armindo@ufu.br

DOI:

https://doi.org/10.5216/rppoi.v17i1.55126

Resumo

Este artigo objetiva abordar as reverberações entre o conceito de diálogo em Paulo Freire e a visão sobre a formação política humana presente na obra “A Condição Humana” de Hannah Arendt. Freire aponta o diálogo como condição existencial do homem no mundo e a sua capacidade de transformá-lo por meio do pensar, refletir e assim realizar escolhas. Arendt, ao ser imbuída das discussões sobre o conceito de vita activa e de ação política, possibilita a reflexão para uma ética do agir humano e a constituição de agir ético docente. A partir de uma pesquisa de natureza qualitativa e com análise descritiva e crítica, foi realizado um levantamento bibliográfico e comparativo entre o significado e suas reflexões em obras dos autores e seus princípios éticos quanto à condição política docente e a ética do agir pautada na constituição da postura política da condição humana. Identificou-se na análise destes significados, elementos presentes na formação ética docente intrinsicamente ligada à sua formação política. A partir do pensar e da capacidade humana de reflexão sobre as possíveis respostas sobre que ética deve ser forjada em suas ações, torna-se possível abordar o fazer educativo escolar através do diálogo, apresentando a possibilidade de compreensão ético-crítica-política da educação e formação de cidadãos conscientes que possam transformar a ordem social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniella Ribeiro do Vale e Silva Vieira, Universidade Vale do Sapucaí (UNIVAS), Pouso Alegre, Minas Gerais, Brasil, daniellarvsv@gmail.com

Daniella Ribeiro do Vale e Silva Vieira é Mestre em Educação pela Universidade do Vale do Sapucaí - UNIVAS (2014), Especialização em Gestão e Supervisão Escolar pela Faculdade de Administração e Informática - FAI (2008) e Pedagoga pela Universidade do Vale do Sapucaí - UNIVAS (2000). Possui experiência como Professora , Assistente Administrativa e Pedagógica da Educação Básica. Atuou como Supervisora Pedagógica da Educação Infantil ao Fundamental II da Rede Municipal de Ensino na cidade de Pouso Alegre/MG . Experiência com tutoria Presencial e Online. Assessoria Pedagógica em cursos de Formação Continuada de Professores para Educação Básica, pela Secretaria Estadual de Educação do Estado de Minas Gerais (PIP). Atualmente é docente de Filosofia e Escola e Prática de Formação Educativa no curso de Pedagogia do Centro Universitário da Fundação de Ensino Octávio Bastos-UNIFEOB em São João da Boa Vista/SP. Também é tutora EaD na mesma instituição. Professora Formadora do Instituto Federal do Sul de Minas, Professora da Fai - Centro de ensino Superior em Gestão, Tecnologia e Educação Em Santa Rita do Sapucaí e também do Endex - Escola de Negócios e Desenvolvimento de Excelência em Pouso Alegre. Também é Professora do NEad - Núcleo de Educação à distância UNIFEI. Suas publicações concentram na área de Ética e Educação; Formação de Professores; Ética do Agir, com fundamentação teórica em Hannah Arendt e Paulo Freire. Membro do Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Ética, Política e História da Educação Brasileira-NEPHEB, pela Linha de Pesquisa: "Fundamentos da Educação: Ética e Política" , cadastrado no CNPQ.

Downloads

Publicado

2019-08-10

Como Citar

DO VALE E SILVA VIEIRA, D. R.; SIQUELLI, S. A.; QUILLICI NETO, A. DO DIÁLOGO FREIRIANO AO PENSAR ARENDTIANO: REVERBERAÇÕES PARA FORMAÇÃO DA ÉTICA DOCENTE. Poíesis Pedagógica, Goiânia, v. 17, n. 1, p. 57–68, 2019. DOI: 10.5216/rppoi.v17i1.55126. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/poiesis/article/view/55126. Acesso em: 30 jun. 2022.