O MESTRE ÚNICO: PROFESSOR COMUNITÁRIO NO OESTE DE SANTA CATARINA

Autores

  • Paulino Eidt Universidade do Oeste de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.5216/rpp.v13i1.35974

Resumo

Nas frentes agrícolas das antigas colônias de imigração alemã dos séculos XIX eXX do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina se formou um modelo educacionaldesvinculado da estrutura do Estado. Povos isolados geográfica e culturalmente, através deações coletivas, instalaram e mantiveram um modelo comunitário de Educação. Os núcleosforam projetados para acolher todas as formas associativas da comunidade (Igreja, clubes,escola, cemitério e áreas de lazer). Em meio à selva, onde a sobrevivência só foi possívelmediante a criação de um laço social horizontal, as 100 famílias, que em média compunhamuma comunidade, construíram a escola, contratavam e pagavam seu professor e estabeleciamações pedagógicas e conteúdos programáticos para seus filhos. O controle das engrenagensadministrativas e as bases filosóficas e ideológicas da educação invariavelmente eramassumidos pela comunidade escolar. O Mestre único, problematizador, aproveitava acuriosidade epistemológica dos filhos de camponeses e através da ação pedagógica adaptava oconteúdo escolar aos saberes dos educandos. A presença do Estado, o nacionalismo, a entradamais agressiva do capitalismo destituiu este modelo escolar na segunda metade do século XX,impondo um currículo unificado e uma ação pedagógica verticalizada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2016-03-29

Como Citar

EIDT, P. O MESTRE ÚNICO: PROFESSOR COMUNITÁRIO NO OESTE DE SANTA CATARINA. Poíesis Pedagógica, Goiânia, v. 13, n. 1, p. 33–49, 2016. DOI: 10.5216/rpp.v13i1.35974. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/poiesis/article/view/35974. Acesso em: 22 maio. 2022.