PETITES MARTHES: ALUNAS POBRES EM UMA INSTITUIÇÃO CONFESSIONAL

Autores

  • Ana Cristina Pereira Lage Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri – Campus Diamantina

DOI:

https://doi.org/10.5216/rpp.v12i2.33663

Resumo

Este artigo analisa a educação confessional feminina no Colégio de Nossa Senhora de Sion, que funcionou entre 1904 e 1965 na cidade de Campanha, MG. As irmãs da Congregação de Nossa Senhora de Sion foram responsáveis por educar tanto meninas da elite (chamadas de Meninas de Sion), como também meninas pobres da região (chamadas martinhas, ou petites marthes). O tratamento para as alunas era diferenciado: preparavam as primeiras para exercer papéis de liderança familiar e, as meninas pobres, especialmente para o trabalho doméstico. Este artigo busca discutir o tratamento diferenciado dispensado às Martinhas nos seus espaços, uniformes e educação. Salienta-se que as diferenças educativas em instituições confessionais católicas femininas fazia parte dos discursos caritativos das religiosas. A pesquisa insere-se na história social, a partir da análise das especificidades de um grupo social e do diálogo com o conceito de gênero. Deve-se trabalhar especificamente com a História das Instituições Escolares, buscando explicar a realidade institucional na sua internalidade e na sua relação com a história da educação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

29-03-2016

Como Citar

Lage, A. C. P. (2016). PETITES MARTHES: ALUNAS POBRES EM UMA INSTITUIÇÃO CONFESSIONAL. Poíesis Pedagógica, 12(2), 25–44. https://doi.org/10.5216/rpp.v12i2.33663