LIMITES DA DEMOCRATIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR: ENTRAVES NA PERMANÊNCIA E A EVASÃO NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

Autores

  • Chaiane de Medeiros Rosa Universidade Estadual Paulista

DOI:

https://doi.org/10.5216/rpp.v12i1.31219

Resumo

O presente estudo busca compreender a forma como as políticas voltadas para a
democratização do acesso à educação superior têm impactado na permanência e evasão dos
estudantes na UFG. Nesse sentido, considerando o quadro de expansão das vagas, bem como
os mecanismos de diversificação do acesso que propiciam a inserção de maior contingente de
alunos na universidade, o trabalho aborda os desafios da permanência dos estudantes na
instituição, especialmente dos segmentos de baixa renda. Para tanto, foi desenvolvida uma
pesquisa com abordagem qualitativa e quantitativa, respaldada em pesquisa do tipo bibliográfica, ancorada em autores como Beletati (2011), Borges e Carnielli (2005), Lázaro et
al. (2012), Ristoff (2008), Rosa (2013) e outros, bem como em pesquisa empírica, baseada em dados da Andifes (2006), do Fonaprace (2012) e do Inep (2012). Como resultado, entende-se que a questão da permanência ainda é um desafio para os estudantes que ingressam na UFG por meio das políticas de reservas de vagas, quer seja o programa UFGInclui ou a lei de cotas, haja vista que esses alunos, por serem provenientes de estratos sociais economicamente desfavorecidos, ao ingressaram na universidade esbarram-se em barreiras que impedem ou dificultam a conclusão da graduação. Sendo assim, entende-se como necessário levantar a discussão acerca da necessidade de implementação de políticas que subsidiem não somente o ingresso, mas, sobretudo, a permanência desse grupo de alunos na universidade, para que eles tenham reais condições de concluir um curso de nível superior com êxito.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2014-07-22

Como Citar

ROSA, C. de M. LIMITES DA DEMOCRATIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR: ENTRAVES NA PERMANÊNCIA E A EVASÃO NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS. Poíesis Pedagógica, Goiânia, v. 12, n. 1, p. 240–257, 2014. DOI: 10.5216/rpp.v12i1.31219. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/poiesis/article/view/31219. Acesso em: 28 maio. 2022.

Edição

Seção

FLUXO CONTÍNUO