MENINOS, BONECOS E MASCULINIDADE: CONSTRUÇÃO DE GÊNERO E BRINCADEIRAS SIMBÓLICAS

Autores

  • Michelle Brugnera Cruz Cechin Especialista em Psicopedagogia Institucional e Clínica (FAPA). Licenciada em Pedagogia (FAPA). Está cursando a especialização em Neuropsicopedagogia e Desenvolvimento Humano (IERGS) e em Educação Especial: Inclusão na Educação (IERGS). É professora da rede municipal de ensino de Porto Alegre
  • Thaise da Silva outoranda em Educação (UFRGS). Mestre em Educação (UFRGS). Especialista em Alfabetização (FAPA). Professora do curso de pós-graduação no Instituto Educacional do Rio Grande do Sul (IERGS) e da rede municipal de ensino de Porto Alegre

DOI:

https://doi.org/10.5216/rpp.v10i1.19996

Resumo

Este artigo descreve uma experiência pedagógica desenvolvida com crianças. O foco do estudo é problematizar os bonecos, que historicamente fazem parte das brincadeiras infantis e representam os ideais de infância da sociedade. Apresentou-se às crianças uma coleção de bonecos “diferentes”: negros, idosos, fortes, obesos, entre outros, que foram incluídos nas suas brincadeiras. Buscou-se, com esses materiais, compreender como as crianças operam com os conceitos de masculinidade e diversidade. Para a feitura da revisão teórica, inspirou-se em autores pós-estruturalistas e nos Estudos Culturais, tratando as bonecas como artefatos culturais. Descreve-se as práticas discursivas que emergiram de conversas, atitudes e interações nas brincadeiras, para entender como as crianças lidam com tais conceitos. O estudo aponta que a possibilidade de brincar com bonecos diferentes, que representam a diversidade, favorece atitudes mais inclusivas e a aceitação das diferenças.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2012-09-10

Como Citar

CECHIN, M. B. C.; SILVA, T. da. MENINOS, BONECOS E MASCULINIDADE: CONSTRUÇÃO DE GÊNERO E BRINCADEIRAS SIMBÓLICAS. Poíesis Pedagógica, Goiânia, v. 10, n. 1, p. 134–154, 2012. DOI: 10.5216/rpp.v10i1.19996. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/poiesis/article/view/19996. Acesso em: 18 maio. 2022.