Origem e alteração no pensamento antropológico de Rousseau

Autores

  • Mauro Dela Bandera Universidade Federal do Acre (UFAC), Rio Branco, Acre, Brasil, maurodelabandera@yahoo.com.br

DOI:

https://doi.org/10.5216/phi.v26i1.66430

Resumo

A diversificação física e cultural humana pode ser lida na antropologia de Rousseau a partir da ideia da degenerescência e do afastamento de uma natureza originária, mas também pode ser encarada em chave positiva como a afirmação da variedade humana, independente de uma referência a um modelo originário. Assim, o pensamento antropológico de Rousseau transita entre dois polos distintos e igualmente válidos: o julgamento histórico e o saber etnográfico. Se o primeiro (mais corrente entre os intérpretes) apoia-se em um modelo único e originário de ser humano que paulatina e historicamente se degeneraria, corrompendo-se; o último multiplica as origens de modo a afirmar positivamente as diferenças, explicando-as enquanto tais. Um se constitui em escala de medida, outro em antídoto contra o etnocentrismo. O objetivo maior deste texto consiste em apresentar sobretudo o último polo. Nele, a diversidade física e cultural se afirma enquanto tal, sem que haja a necessidade de se atribuir prêmios de preservação de uma maior pureza a esta ou aquela sociedade localizada num ponto determinado do tempo e do espaço. A diversidade indicaria não mais uma corrupção, mas sim os vários caminhos assumidos e tomados pelos grupos humanos de acordo com os tempos e as circunstâncias vivenciados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2021-11-19

Como Citar

BANDERA, M. D. . Origem e alteração no pensamento antropológico de Rousseau. Philósophos - Revista de Filosofia, Goiânia, v. 26, n. 1, 2021. DOI: 10.5216/phi.v26i1.66430. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/philosophos/article/view/66430. Acesso em: 22 maio. 2022.