Architectura, Utilitas, Venustas:

Vitruvianismo e Pós-Vitruvianismo em Immanuel Kant e August Schlegel

Autores

  • Gabriel Almeida Assumpção UFMG

DOI:

https://doi.org/10.5216/phi.v25i2.64782

Resumo

A finalidade explícita na arquitetura e ênfase na utilidade, no aspecto de uma aplicação prática, intrigou filósofos alemães como Immanuel Kant e August Schlegel. O entrelaçamento entre beleza e finalidade na arquitetura fora notado cedo por Marco Vitrúvio Polião (81 a.C.-15d d.C.), que aponta utilidade, solidez e beleza como características fundamentais da obra arquitetônica. Segundo Guyer (2011), a partir de Kant, o pensamento filosófico sobre a arquitetura começa a apresentar um distanciamento em relação a Vitrúvio, de modo que, mesmo sem total renúncia à tríade vitruviana no pensamento de Kant, este defende ser a característica principal da arquitetura representar ideias estéticas. A tese de Guyer aponta o desenvolvimento desse ponto de Kant em Schelling, Hegel e Schopenhauer, todavia com uma lacuna: August Schlegel (1767-1845), fundador do primeiro sistema de belas artes com sua Kunstlehre (1801-1804). Buscaremos aprofundar como a tese de Guyer não só é válida, mas ganha mais solidez no caso de August Schlegel e do papel que este confere à imaginação na arquitetura. Após a indicação de elementos vitruvianos e pós-vitruvianos em Kant e Schlegel, indicaremos as divergências entre ambos na apreciação da arquitetura, a partir de suas articulações entre arquitetura e finalidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriel Almeida Assumpção, UFMG

Doutor em Filosofia pela UFMG (2020). Mestre em Filosofia pela UFMG (2015), Licenciado em Filosofia pelo Centro Universitário Internacional UNINTER (2019) e Bacharel em Psicologia pela UFMG (2010). Trabalha especialmente com Friedrich W. J. von Schelling (filosofia da natureza, gênio e mímesis), Friedrich von Hardenberg [Novalis] (panenteísmo, filosofia da natureza, poesia e sincriticismo) e Nicolai Hartmann (filosofia da natureza, crítica à teleologia e ao idealismo, valores estéticos). Também se interessa por Immanuel Kant (gênio, teleologia) e por Vittorio G. Hösle (ecologia; idealismo objetivo, teleologia). Traduziu as seguintes obras filosóficas do alemão para o português: "Dedução geral do processo dinâmico" (1800), de F. W. J. Schelling; "Filosofia da crise ecológica: conferências moscovitas" (1991), de Vittorio Hösle. É membro de grupo de pesquisa "Mito e Modernidade", da FALE-UFMG, onde realiza pesquisa de Pós-Doutorado sobre Novalis.

Downloads

Publicado

16-04-2021

Como Citar

Assumpção, G. A. (2021). Architectura, Utilitas, Venustas: : Vitruvianismo e Pós-Vitruvianismo em Immanuel Kant e August Schlegel. Philósophos - Revista De Filosofia, 25(2). https://doi.org/10.5216/phi.v25i2.64782