Sonho, sublimação e transfiguração

em torno da relação entre inconsciente e arte no Nascimento da tragédia de Nietzsche

Autores

  • William Mattioli UFRJ

DOI:

https://doi.org/10.5216/phi.v25i2.64431

Resumo

Neste artigo, pretendo desenvolver algumas ideias em torno da relação entre as noções de sonho, sublimação e transfiguração no pensamento do jovem Nietzsche, mais especificamente, no âmbito da metafísica de artista elaborada por ele no Nascimento da tragédia. As reflexões que se seguem desdobram-se à luz do que considero ser a “teoria” do inconsciente presente neste momento de sua obra. Mesmo que o termo “sublimação” não ocorra nos textos do período, acredito que seu sentido esteja presente em diversas formulações do autor acerca do processo mediante o qual o sofrimento e os impulsos violentos e destrutivos (representados pelo princípio pulsional dionisíaco) são refreados, deslocados, transformados e como que reintegrados em torno de uma imagem consolatória capaz de amenizar o sofrimento e harmonizar as forças em atividade no indivíduo e na cultura (o que seria resultado da ação do princípio apolíneo). Minha hipótese central é que Nietzsche enxerga, na produção inconsciente do sonho, o exemplo emblemático do processo de sublimação, enquanto evento psicológico, e que este funciona como paradigma para a formulação do importante conceito de transfiguração, que assume então uma função propriamente metafísica, no interior da proposta ética de justificação estética da existência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

16-04-2021

Como Citar

Mattioli, W. (2021). Sonho, sublimação e transfiguração: em torno da relação entre inconsciente e arte no Nascimento da tragédia de Nietzsche. Philósophos - Revista De Filosofia, 25(2). https://doi.org/10.5216/phi.v25i2.64431