OLHAR, ESCUTA E VERDADE NO “ÉDIPO DE FOUCAULT”

  • Fabiano Incerti Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PUCPR

Resumo

Em suas análises de Édipo-Rei, Michel Foucault recorda que a manifestação da verdade no interior da peça de Sófocles depende necessariamente de indivíduos que possam afirmar: eu vi com meus próprios olhos e eu escutei com meus próprios ouvidos. Do alto de seu poder autocrático, Édipo é aquele que tudo viu e tudo ouviu e por isso tudo sabe e tudo pode, mas vê-se ao final obrigado a se exilar, andando a esmo através do mundo na noite de sua cegueira. Partindo dos deuses e passando pelos reis e pelos escravos, é o desvelamento da verdade que o leva a furar os próprios olhos e, para sempre, abrir os ouvidos.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabiano Incerti, Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PUCPR
Doutor em Filosofia pela PUCSP. Professor do Programa de Pós-Graduação em Filosofia da PUCPR. Diretor do Instituto Ciência e Fé da PUCPR.
Publicado
15-08-2019
Como Citar
Incerti, F. (2019). OLHAR, ESCUTA E VERDADE NO “ÉDIPO DE FOUCAULT”. Philósophos - Revista De Filosofia, 24(1). https://doi.org/10.5216/phi.v24i1.49453
Seção
Artigos Originais