<em>ETHICA EUDEMIA I, 5</em>: É O PRAZER ALVO DA VIDA BOA?

  • Inara Zanuzzi Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Aristóteles, Ética Eudêmia, prazer, ergon.

Resumo

O artigo toma como ponto de partida a argumentação da Ethica Eudemia (EE) II, 1 que retoma os resultados dos capítulos anteriores, a saber, i) o bem supremo para os seres humanos é o fim e ii) todos julgam a sabedoria teórica, a virtude moral e o prazer, ou alguns ou todos esses, serem o fim. Essas duas teses permitem a Aristóteles concluir que o bem mais desejável está na alma e a partir daí fazer uma argumentação em termos de ergon, função ou atividade característica, da alma. O que se pode observar, entretanto, é que se o ergon da alma pode explicar serem fins sabedoria teórica e virtude moral, o mesmo é menos facilmente defensável no caso do prazer. Com efeito, tomar o prazer como fim parece ser tomar uma satisfação subjetiva com o que quer que seja, de modo que o ergon poderia explicar a satisfação subjetiva no máximo com algumas coisas, mas não com todas. Para resolver isso, procura-se no artigo interpretar uma passagem anterior, I, 5, 1215b15-1216a10, como responsável por fazer uma restrição no domínio dos prazeres que podem contar como finalidades para o ser humano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Inara Zanuzzi, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Professora Adjunta do Departamento de Filosofia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Mestre e doutora na mesma universidade com tese na área da Ética Aristotélica.
Publicado
28-11-2014
Como Citar
Zanuzzi, I. (2014). <em>ETHICA EUDEMIA I, 5</em&gt;: É O PRAZER ALVO DA VIDA BOA?. Philósophos - Revista De Filosofia, 19(2), 111-128. https://doi.org/10.5216/phi.v19i2.32682
Seção
Dossiê de Artigos Originais