A ÉTICA DA ALTERIDADE NA FILOSOFIA DE CAMUS

  • Alessandro Rodrigues Pimenta UFPI - Universidade Federal do Piauí
Palavras-chave: Alteridade, Violência, Totalitarismo, História

Resumo

As crises de paradigmas, sejam eles, científicos, sociais ou religiosos tiveram, durante o séc. XX, uma recepção interessante. Emergiram sistemas totalitários, relativismos na filosofia e na ciência e esgotamento da democracia representativa. O conceito de revolta em Camus abrange toda esta preocupação e busca resgatar um humanismo que procura responder a toda esta crise. Investiga-se, então, neste artigo, o conceito de revolta camusiana como uma crítica à violência do Estado e uma busca de fundar uma ética da alteridade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alessandro Rodrigues Pimenta, UFPI - Universidade Federal do Piauí
Doutor em Filosofia pela UGF. Bacharel e Mestre em Filosofia pela UFG. Professor Adjunto de Filoofia na UFPI. Professor junto ao Mestrado em Ética e Epistemologia da UFPI.
Publicado
15-09-2012
Como Citar
Pimenta, A. R. (2012). A ÉTICA DA ALTERIDADE NA FILOSOFIA DE CAMUS. Philósophos - Revista De Filosofia, 17(1), 11-30. https://doi.org/10.5216/phi.v17i1.17392
Seção
Dossiê de Artigos Originais