O ESTATUTO DA LINGUAGEM NO PENSAMENTO DO JOVEM NIETZSCHE: REFLEXÕES SOBRE A FISIOLOGIA DOS FENÔMENOS ESTÉTICOS

  • André Luis Muniz Garcia Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Jovem Nietzsche, Fisiologia, Linguagem, Tragédia.

Resumo

O objetivo do presente artigo, pensado preliminarmente como parte integrante de um estudo mais amplo e sistemático sobre o processo de formação do pensamento do jovem Nietzsche, é discutir o estatuto da linguagem em suas considerações sobre estética, notadamente naquela apresentada nos fragmentos, apontamentos e escritos póstumos preparatórios d’O Nascimento da Tragédia. Como se poderá notar, o viés de investigação proposto, respaldado em importantes estudos de literatura secundária, primou por uma esmerada, porém não exaustiva, reconstituição do trinômio: linguagem sonora (Tonsprache), linguagem-de-gesto (Geberdensprache) e linguagem-de-palavra (Wortsprache), que margeia a investigação nietzscheana sobre a origem, desenvolvimento e perecimento da tragédia grega.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Luis Muniz Garcia, Universidade Estadual de Campinas
Doutorando em Filosofia pela Universidade Estadual de Campinas
Publicado
30-12-2011
Como Citar
Garcia, A. L. (2011). O ESTATUTO DA LINGUAGEM NO PENSAMENTO DO JOVEM NIETZSCHE: REFLEXÕES SOBRE A FISIOLOGIA DOS FENÔMENOS ESTÉTICOS. Philósophos - Revista De Filosofia, 16(2), DOI: 10.5216/phi.v16i2.10298. https://doi.org/10.5216/phi.v16i2.10298
Seção
Artigos Originais