O tamanho da semente afeta a taxa de germinação e o crescimento de plântulas de amendoim sob salinidade e estresse hídrico?

Resumo

O tamanho da semente constitui um importante indicador de qualidade fisiológica, por afetar sua germinação e o crescimento de plântulas, especialmente em condições adversas. Objetivou-se investigar os efeitos do tamanho da semente na germinação e no crescimento inicial de plântulas de amendoim, em condições de salinidade e restrição hídrica. Os tratamentos foram arranjados em delineamento inteiramente casualizado, em esquema fatorial 3 × 3: três classes de tamanho de sementes (pequena, média e grande) e três tratamentos de estresse (controle e estresse salino ou hídrico), com quatro repetições. Estresses salino e hídrico não reduzem a porcentagem de germinação das sementes de tamanho médio e grande; no entanto, a germinação das sementes pequenas é reduzida sob estresse salino. O estresse hídrico reduz drasticamente o crescimento da parte aérea das plântulas, independentemente do tamanho da semente, enquanto o crescimento das raízes é maior nas plântulas oriundas de sementes médias e grandes sob condições de estresse hídrico. Em condições controle, o uso de sementes grandes é preferível, resultando em plântulas mais vigorosas e com maior acúmulo de matéria seca. Sementes de tamanho médio são mais adaptadas às condições adversas do ambiente e, portanto, devem ser utilizadas em condições de escassez de água e de excesso de sal no solo na época de semeadura. As plântulas são mais tolerantes à salinidade do que ao estresse hídrico durante a fase de germinação e de crescimento inicial em condições de laboratório.

PALAVRAS-CHAVE: Arachis hypogaea L., potencial osmótico, reserva da semente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fábio Steiner, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul
Prof. Dr. do Curso de Agronomia da UEMS/Cassilândia. Atua na área de Agronomia, com enfase em Nutrição Mineral de Plantas, Fertilizadade do Solo e Fisiologia das Plantas cultivadas.
Alan Mario Zuffo, UNiversidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS
Prof. Dr. do Curso de Agronomia da UFMS/Chapadão do Sul. Atua na área de Agronomia, com enfase em Fisiologia das Plantas cultivadas e Fisiologia da Germinação de Sementes.
Aécio Bush, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - UEMS
Acadêmico do Curso de Agronomia na Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS/Cassilândia).
Tiago de Oliveira Sousa, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri – UFVJM.
Discente do Curso de Pós-Graduação em Agronomica da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri – UFVJM.
Tiago Zoz, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - UEMS.
Prof. Dr. do Curso de Agronomia da UEMS/Cassilândia. Atua na área de Agronomia, com enfase em Nutrição Mineral de Plantas, Fertilizadade do Solo e Fisiologia das Plantas cultivadas.
Publicado
03-05-2019
Como Citar
STEINER, F.; ZUFFO, A.; BUSH, A.; SOUSA, T.; ZOZ, T. O tamanho da semente afeta a taxa de germinação e o crescimento de plântulas de amendoim sob salinidade e estresse hídrico?. Pesquisa Agropecuária Tropical (Agricultural Research in the Tropics), v. 49, p. e54353, 3 maio 2019.
Seção
Artigo Científico