Crescimento e teores de nutrientes em arroz de terras baixas em razão de adubação com fósforo e potássio

Autores

  • André Fróes de Borja Reis Universidade de São Paulo, Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Piracicaba, São Paulo, Brasil, andrefbr@usp.br.
  • Adriano Stephan Nascente Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Arroz e Feijão), Santo Antônio de Goiás, Goiás, Brasil, adriano.nascente@embrapa.br
  • Rodrigo Estevam Munhoz de Almeida Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Pesca e Aquicultura), Palmas, Tocantins, Brasil, rodrigo.almeida@embrapa.br. https://orcid.org/0000-0002-3675-1661
  • Aloísio Freitas Chagas Júnior Universidade Federal do Tocantins, Gurupi, Tocantins, Brasil, chagasjraf@mail.uft.edu.br

Palavras-chave:

Oryza sativa, arroz irrigado, solo tropical.

Resumo

A fim de obter uma produção ótima e sustentável, os produtores precisam conhecer a taxa de aplicação de potássio (K) e fósforo (P) fertilizante. Objetivou-se determinar o desenvolvimento de arroz, em resposta a taxas combinadas de P e K, em Plintosolos (380-400 g kg-1 de argila), em condições de fertilidade alta e baixa, na planície irrigável tropical do rio Araguaia. Foram instalados três experimentos, sendo que cada um deles consistiu em delineamento fatorial em blocos casualizados, com três repetições. Os tratamentos incluíram a combinação de seis doses de K2O (0 kg ha-1, 30 kg ha-1, 60 kg ha-1, 90 kg ha-1, 120 kg ha-1 e 150 kg ha-1) com seis doses de P2O5 (0 kg ha-1, 30 kg ha-1, 60 kg ha-1, 90 kg ha-1, 120 kg ha-1 e 150 kg ha-1). Não foi observado efeito da interação entre doses de P e K nas variáveis analisadas em nenhum nível de fertilidade/ano. A aplicação de P sob condição de baixa fertilidade, bem como de K sob alta fertilidade, afetam a nutrição da cultura de forma geral, capacidade de perfilhamento, componentes da produtividade e rendimento de grãos de arroz de terras baixas, embora não tenha sido observado efeito da aplicação de P em área de alta fertilidade e K na área de baixa fertilidade. Na condição de alta fertilidade, a taxa de incremento de rendimento de grãos devida à aplicação de K foi de 4,04 kg ha-1, e na condição de baixa fertilidade, como áreas recém-abertas, a produtividade máxima foi de 7.161 kg ha-1, quando aplicados 140 kg ha-1 de P.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Fróes de Borja Reis, Universidade de São Paulo, Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Piracicaba, São Paulo, Brasil, andrefbr@usp.br.

Adriano Stephan Nascente, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Arroz e Feijão), Santo Antônio de Goiás, Goiás, Brasil, adriano.nascente@embrapa.br

Rodrigo Estevam Munhoz de Almeida, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Pesca e Aquicultura), Palmas, Tocantins, Brasil, rodrigo.almeida@embrapa.br.

Aloísio Freitas Chagas Júnior, Universidade Federal do Tocantins, Gurupi, Tocantins, Brasil, chagasjraf@mail.uft.edu.br

Downloads

Publicado

25-05-2018

Como Citar

FRÓES DE BORJA REIS, A.; STEPHAN NASCENTE, A.; ESTEVAM MUNHOZ DE ALMEIDA, R.; FREITAS CHAGAS JÚNIOR, A. Crescimento e teores de nutrientes em arroz de terras baixas em razão de adubação com fósforo e potássio. Pesquisa Agropecuária Tropical, Goiânia, v. 48, n. 2, p. 98–108, 2018. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/pat/article/view/50666. Acesso em: 30 jun. 2022.

Edição

Seção

Artigo Científico