EFEITO DE FATORES AMBIENTAIS DA FOSFATASE ÁCIDA NO FEIJOEIRO

Itamar Pereira de Oliveira, Michael Djie Thung, José Renato de Freitas, Renato Sérgio Mota dos Santos

Resumo


Plantas com 15 dias após a germinação foram colhidas em experimentos de campo com a finalidade de conhecer o pH, temperatura e tempo necessários para melhor expressar a atividade da fosfatase ácida em três variedades do feijoeiro (Phaseolus vulgaris L.), Carioca, EMP-84 e CNF-l0, na presença e na ausência de fósforo. Os maiores valores de atividade da fosfatase ácida foram observadas quando as plantas foram colocadas em solução em pH 5,5 durante 120 minutos à temperatura de 30°C. A utilização de substâncias tamponantes como PNPP + Triton X-100 expressaram melhor a atividade da fosfatase ácida. As condições de vácuo constituíram um fator positivo para a atividade da fosfatase ácida. As plantas desenvolvidas sob estresse hídrico apresentaram menor atividade da fosfatase ácida. A relação folha-raiz da atividade da fosfatase ácida atingiu 5,72 para a variedade Carioca, 4,91 para a variedade EMP-84 e 4,36 para a variedade CNF-10.

PALAVRAS-CHAVE: pH; temperatura; solução tamponada; tempo de reação; Phaseolus vulgaris.


Palavras-chave


pH; temperatura; solução tamponada; tempo de reação; Phaseolus vulgaris

Texto completo:

PDF




Licença Creative Commons

Pesquisa Agropecuária Tropical está licenciado sob uma licença Creative Commons Atribuição 3.0 Unported.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://www.revistas.ufg.br/index.php/pat/about/submissions#onlineSubmissions.

Esta publicação é financiada pelo Programa de Apoio às Publicações Periódicas da UFG (PROAPUPEC)

Visitantes: contador de visitas
Logotipo do IBICT