MASTITE BOVINA NA BACIA LEITEIRA DE GOIÂNIA

Maria Auxiliadora Andrade, Francisco de Carvalho Dias Filho, Roberval Rodrigues da Costa

Resumo


Esta pesquisa foi realizada em seis municípios da bacia leiteira de Goiânia tendo sido examinadas 701 vacas lactantes, das quais 87 (12,41%) apresentaram mastite clínica e subclínica. Os testes CMT/Whiteside foram realizados em 2.717 amostras de leite, sendo que 393 (14,46%) resultaram positivas. Os microrganismos isolados das 701 lactoculturas foram: Staphilococcus aureus 172 (67,70%); Streptococcus spp. 38 (l4,96%); Corynebacterium spp. 42 (16 ,53%); Staphylococcu.s epidermides 38 (14 ,96%); Pseudomonas aeruginosa 21 (8,26%); Eschericheir coli 18 (7,08%); Serratia marceceus 12 (4,72%); Klebsiella spp 5 (1,96%); Proteus vulgaris 4 (1,57%); Candida spp 5 (1,96%); Candida spp 5 (1,96%) e em 23 (9,05%) não houve crescimento.


Texto completo:

PDF




Licença Creative Commons

Pesquisa Agropecuária Tropical está licenciado sob uma licença Creative Commons Atribuição 3.0 Unported.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://www.revistas.ufg.br/index.php/pat/about/submissions#onlineSubmissions.

Esta publicação é financiada pelo Programa de Apoio às Publicações Periódicas da UFG (PROAPUPEC)

Visitantes: contador de visitas
Logotipo do IBICT