Características produtivas e morfofisiológicas de cultivares de azevém

Autores

  • Lucas Vargas Oliveira Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel, Pelotas, RS, Brasil.
  • Otoniel Geter Lauz Ferreira Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel, Pelotas, RS, Brasil.
  • Régis Antonio Teixeira Coelho Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel, Pelotas, RS, Brasil.
  • Pâmela Peres Farias Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel, Pelotas, RS, Brasil.
  • Roberta Farias Silveira Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel, Pelotas, RS, Brasil.

Palavras-chave:

Lolium multiflorum, Lolium perenne, índice de produção e rebrote.

Resumo

Nos últimos anos, diversas cultivares de azevém têm sido lançadas no mercado brasileiro, sendo necessário que estejam devidamente caracterizadas produtiva e morfofisiologicamente, para subsidiar a escolha do genótipo adequado a cada ambiente e sistema de produção. Assim, objetivou-se avaliar, em casa-de-vegetação, as características produtivas e morfofisiológicas de cultivares de azevém submetido a cortes. Os tratamentos consistiram de três cultivares diploides [Comum-RS (Lolium multiflorum), Pronto® (Lolium multiflorum var. westerwoldicum) e Conquest® (Lolium multiflorum var. italicum)] e quatro tetraploides [INIA Titan® (Lolium multiflorum var. italicum), Winter Star® (Lolium multiflorum var. westerwoldicum), KLM 138® (Lolium multiflorum var. italicum) e Banquet II® (Lolium perenne)], dispostas em delineamento inteiramente casualizado, constituindo sete tratamentos, com seis repetições. Foram analisadas a massa de forragem, taxa de crescimento absoluto (TCA), área foliar (AF), razão de área foliar (RAF), razão de massa de folhas (RMF), área foliar específica (AFE), taxa de assimilação líquida (TAL), taxa de crescimento relativo (TCR), tempo para o primeiro corte e intervalo de cortes. Houve diferença para todas as variáveis citadas. Maior massa de forragem foi observada para a cultivar INIA Titan®, bem como maiores RAF, RMF, AFE, TAL e TCR, para a cultivar Pronto®, e maior TCA, para Banquet II®. A cultivar Pronto® apresentou produção precoce (51 dias até o primeiro corte) e rápido rebrote (11 dias de intervalo de corte) e a INIA Titan® rápido rebrote (15 dias de intervalo de corte), aliado a elevada massa de forragem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Vargas Oliveira, Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel, Pelotas, RS, Brasil.

Departamento de Zootecnia, área de pastagens

Otoniel Geter Lauz Ferreira, Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel, Pelotas, RS, Brasil.

Departamento de Zootecnia, área de Pastagens e Ovinos

Régis Antonio Teixeira Coelho, Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel, Pelotas, RS, Brasil.

Departamento de Zootecnia, área de pastagens

Pâmela Peres Farias, Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel, Pelotas, RS, Brasil.

Departamento de Zootecnia

Roberta Farias Silveira, Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel, Pelotas, RS, Brasil.

Departamento de Zootecnia

Downloads

Publicado

09-07-2014

Como Citar

OLIVEIRA, L. V.; FERREIRA, O. G. L.; COELHO, R. A. T.; FARIAS, P. P.; SILVEIRA, R. F. Características produtivas e morfofisiológicas de cultivares de azevém. Pesquisa Agropecuária Tropical, [S. l.], v. 2, n. 1, p. 191–197, 2014. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/pat/article/view/24497. Acesso em: 18 maio. 2021.

Edição

Seção

Produção Vegetal