Ocorrência de plantas daninhas em cultivo consorciado de café e nogueira-macadâmia

Autores

  • Vinícius de Castro Silva Universidade Estadual Paulista (Unesp), Faculdade de Ciências Agronômicas, Departamento de Produção e Melhoramento Vegetal, Botucatu, SP, Brasil.
  • Marcos José Perdoná Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), Regional Centro-Oeste, Bauru, SP, Brasil.
  • Rogério Peres Soratto Universidade Estadual Paulista (Unesp), Faculdade de Ciências Agronômicas, Departamento de Produção e Melhoramento Vegetal, Botucatu, SP, Brasil.
  • Eduardo Negrisoli Techfield Consultoria Agrícola, Botucatu, SP, Brasil.

Palavras-chave:

Coffea arabica L., Macadamia integrifolia Maiden & Betche, planta invasora, sombreamento.

Resumo

A arborização pode beneficiar os cafezais, reduzindo a velocidade dos ventos e a amplitude térmica na cultura. É possível, ainda, que a diminuição na radiação incidente possa influenciar a população de plantas daninhas e diminuir a necessidade de seu controle. Objetivou-se, com este trabalho, avaliar a população e a distribuição de plantas daninhas, na cultura de café arábica consorciado com três cultivares de nogueira-macadâmia, seis anos após o plantio, em Dois Córregos (SP). Os tratamentos consistiram de esquema fatorial 3x3+1, ou seja, café consorciado com três cultivares de nogueira-macadâmia (HAES 816, IAC 4-20 e IAC 9-20) e três locais de amostragem das plantas daninhas no consórcio (na projeção da copa da nogueira-macadâmia, entre as projeções das copas da nogueira-macadâmia e na entrelinha solteira), além de um tratamento adicional (café solteiro). Foram avaliados a incidência e o controle de plantas daninhas, bem como a caracterização fitossociológica. No cultivo de café consorciado com nogueira-macadâmia, a ocorrência e o número de espécies de plantas daninhas foram menores que no cultivo de café solteiro. Na projeção da copa e entre as projeções das copas da nogueira-macadâmia, houve, em média, 82% de redução na ocorrência de plantas daninhas, em comparação ao café solteiro. A cultivar IAC 9-20, por apresentar copa mais alta e de maior diâmetro, foi mais eficiente na redução da ocorrência de plantas daninhas, no consórcio com café.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vinícius de Castro Silva, Universidade Estadual Paulista (Unesp), Faculdade de Ciências Agronômicas, Departamento de Produção e Melhoramento Vegetal, Botucatu, SP, Brasil.

Graduando em Agronomia pela Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências Agronômicas, com trabalho de iniciação científica no Departamento de Produção e Melhoramento Vegetal, Campus de Botucatu, atuando na área de manejo de plantas daninhas na cultura do café.

Marcos José Perdoná, Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), Regional Centro-Oeste, Bauru, SP, Brasil.

Doutorando em Agronomia pela FCA-Unesp- Botucatu, graduado em Engenharia Agronômica pela Universidade Estadual de Londrina - PR, Brasil (1994), trabalhou na iniciativa privada no estado de Minas Gerais com a cultura de café. Como extensionista trabalhou por 14 anos com as culturas de café, cana-de-açúcar e piscicultura, sendo fundador das Associações: Associcor e Unicafé. Atualmente, pesquisador da APTA - Polo de Bauru, atuando na área de fitotecnia com as culturas de café e fruticultura e os temas: sistemas agroflorestais e consorciação das culturas café e macadâmia. Ocupa os cargos de diretor técnico da Associação Brasileira de Macadâmia e Presidente do Gtec Café do Centro-Oeste Paulista.

Rogério Peres Soratto, Universidade Estadual Paulista (Unesp), Faculdade de Ciências Agronômicas, Departamento de Produção e Melhoramento Vegetal, Botucatu, SP, Brasil.

Possui graduação em Agronomia (1999) e mestrado em Agronomia [Sistemas de Produção] (2002) pela Faculdade de Engenharia da Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP), campus de Ilha Solteira, e doutorado em Agronomia [Agricultura] (2005) pela Faculdade de Ciências Agronomicas da UNESP, campus de Botucatu. Atualmente é Professor Adjunto da Faculdade de Ciências Agronômicas da UNESP, campus de Botucatu. Realiza pesquisas com ênfase em grandes culturas, nas áreas de: fitotecnia, manejo e tratos culturais, manejo da adubação, nitrogênio, calagem e gessagem, fósforo, sistema plantio direto e sistemas de produção agrícola.

Eduardo Negrisoli, Techfield Consultoria Agrícola, Botucatu, SP, Brasil.

Possui graduação em Agronomia pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (1997), - Mestrado em Agronomia (Agricultura) pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2000/2002) - Doutorado em Agronomia (Agricultura) pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2002/2005). - Pós-Doutorado em Agricultura. pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP/ FCA Botucatu/SP. Orientador: Edivaldo Domingues Velini. (2008/2011). - Tem experiência na área de Agronomia, atuando principalmente nos seguintes temas: herbicida, planta daninha, cana-de-açúcar, planta aquática e na área Ambiental trabalhando na área de monitoramento e qualidade de água. - Desde junho de 2005, pesquisador colaborador e/ou responsável em projetos de pesquisa na FCA/UNESP, FEPAF (Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais), desenvolvendo atividades ligadas à pesquisa com planta daninhas de áreas cultivadas e não cultivadas e estudos de monitoramento de qualidade de água e plantas aquáticas. - Sócio da empresa TechField, Consultoria Agrícola com sede na Incubadora Tecnológica de Botucatu Faculdade de Ciências Agronômicas /UNESP-SEBRAE/FINEP. - Professor das Disciplinas de Controle de Plantas Invasoras, Tecnologia de Aplicação de Defensivos Agrícolas, Metodologia de Pesquisa, Trabalho de Conclusão de Curso (T.C.C.) e Agricultura II na Associação Educacional do Vale da Jurumirim, Curso de Agronomia da EDUVALE, Avaré /SP.

Downloads

Publicado

10-12-2013

Como Citar

SILVA, V. de C.; PERDONÁ, M. J.; SORATTO, R. P.; NEGRISOLI, E. Ocorrência de plantas daninhas em cultivo consorciado de café e nogueira-macadâmia. Pesquisa Agropecuária Tropical, [S. l.], v. 43, n. 4, p. 441–449, 2013. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/pat/article/view/24021. Acesso em: 29 nov. 2021.

Edição

Seção

Proteção de Plantas