ADAPTABILIDADE E ESTABILIDADE FENOTÍPICA DE CULTIVARES DE ALGODOEIRO NO ESTADO DO MATO GROSSO, BRASIL

Fábio Akiyoshi Suinaga, Cristina Schetino Bastos, Luis Eduardo Pacifici Rangel

Resumo


O objetivo deste trabalho foi o de avaliar a adaptabilidade e a estabilidade de cultivares de algodão (Gossypium hirsutum L.), utilizando a metodologia proposta por Eberhart & Russell (1966). Para tanto, onze variedades de algodão foram avaliadas em sete locais do Estado do Mato Grosso, Brasil, em dois anos agrícolas (2002/2003 e 2003/2004). O delineamento experimental empregado foi o de blocos casualizados com quatro repetições e as características avaliadas foram a produtividade de algodão em caroço e a porcentagem de fibra. Com relação à produção de algodão em caroço, as cultivares BRS Aroeira, BRS Ipê, BRS Cedro, BRS Jatobá e Delta Opal demonstraram ampla adaptabilidade e estabilidade para as regiões produtoras do Estado. Entretanto, considerando a porcentagem de fibra, não foram encontradas cultivares de algodão com ampla adaptabilidade e estabilidade nos ambientes estudados.

PALAVRAS-CHAVE: Gossypium hirsutum; fibra; estabilidade.


Palavras-chave


Gossypium hirsutum; fibra; estabilidade

Texto completo:

PDF




Licença Creative Commons

Pesquisa Agropecuária Tropical está licenciado sob uma licença Creative Commons Atribuição 3.0 Unported.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://www.revistas.ufg.br/index.php/pat/about/submissions#onlineSubmissions.

Esta publicação é financiada pelo Programa de Apoio às Publicações Periódicas da UFG (PROAPUPEC)

Visitantes: contador de visitas
Logotipo do IBICT