A SERTANEJA DE BRASÍLIO ITIBERÊ: NACIONAL OU ESTRANGEIRA, AMADORÍSTICA OU SOFISTICADA?

Fausto Borém e Mario Luiz Marochi Junior

Resumo


Aspectos históricos e analíticos sobre A Sertaneja, obra para piano solo do compositor paranaense Brasílio Itiberê. Convivem, nesta obra publicada em 1869, uma das primeiras citações do folclore brasileiro na música erudita (extraídas de Balaio, meu bem, balaio) juntamente com a concepção sonora e o virtuosismo instrumental europeus remanescentes dos compositores-pianistas românticos, epitomizados por Franz Liszt e Frédéric Chopin. Revela-se, neste artigo, um estilo composicional mais sofisticado, estruturado e unificado do que aquele geralmente atribuído pelos musicólogos a Brasílio Itiberê, ainda lembrado como um compositor amador de música ligeira.


Palavras-chave: Brasílio Itiberê; A Sertaneja; Análise musical; Nacionalismo musical; Pianismo de Liszt; Pianismo de Chopin; Piano romântico.

Texto completo:

PDF HTML


DOI: https://doi.org/10.5216/mh.v8i2.6007

Logotipo do IBICT
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://www.revistas.ufg.br
Visitantes: contador de visitas