Mapeando master classes em instrumento musical: um olhar quantitativo sobre as relações entre professor, aluno e performance nesse formato de ensino

Palavras-chave: Master class, Ensino de instrumento musical, Análise quantitativa, Alocação de tempo em ambientes de ensino

Resumo

Este artigo objetiva mapear as relações de tempo estabelecidas entre professor, aluno e suas respectivas performances em um contexto de master class. Para tanto, o conceito de master class é inicialmente discutido e um breve panorama de pesquisas na área é apresentado. Em termos metodológicos, adota-se uma amostra de 130 master classes de violão, as quais foram gravadas em festivais de música sediados no Brasil e em Portugal. Essas master classes são analisadas conforme os seguintes parâmetros: 1) duração média; 2) relação entre a duração da obra executada pelo aluno e a duração da master class; 3) relação entre fala do professor, fala do aluno, performance do professor e performance do aluno; e 4) o momento em que a obra executada pelo aluno ocorre em uma master class. Os resultados indicam que: 1) a duração média de uma master class é de pouco mais de meia hora, mas é passível de grande variabilidade; 2) a duração da obra executada pelo aluno exerce apenas moderada influência na duração final de uma master class; 3) as master classes são dominadas pela fala do professor e pela performance do aluno; e 4) há um recorrente, porém curto, intervalo de tempo que precede a performance do aluno e que parece haver indícios que esse momento é de extrema importância para efetividade da aula. Por fim, esses resultados são discutidos em termos de futuras pesquisas de cunho qualitativo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricieri Carlini Zorzal, Universidade Federal do Maranhão
Bacharel em Violão pela Universidade Federal de Minas Gerais, mestre em Práticas Interpretativas pela Universidade Federal da Bahia e doutor em Educação Musical pela Universidade Federal da Bahia.
Daniela da Costa Coimbra, Porto Polytechnic Institute
Professora adjunta e presidente do Conselho Técnico Científico na Escola Superior de Música e das Artes do Espectáculo do Porto. Doutorou-se em Psicologia da Música na Universidade de Sheffield, no Reino Unido, com uma bolsa da Fundação para a Ciência e Tecnologia. Ainda como bolseira da FCT realizou um pós-doutoramento no Centro de Investigação em Ciência e Tecnologia das Artes (CITAR) da Escola das Artes da Universidade Católica Portuguesa, no Porto, em colaboração com o Centre for Performance Science (CPS) do Royal College of Music em Londres. A sua investigação foca aspectos educacionais e psicológicos da prática musical.

Referências

ALTENMÜLLER, Eckart; GRUHN, Wilfried. Brain Mechanisms. In PARNCUTT, R.; MCPHERSON, G. E. (Eds.), The science and psychology of music performance: Creative strategies for teaching and learning. New York: Oxford University Press, 2002. pp. 63-82.

BERAN, Jan. Interdisciplinary Statistics: Statistics in Musicology. London: Chapman & Hall/CRC, 2004.

CREECH, Andrea, GAUNT, Helena, HALLAM, Susan, ROBERTSON, Linnhe. Conservatoire students’ perceptions of Master Classes. British Journal of Music Education, v. 26, pp. 315–331, 2009.

DANIEL, Ryan. Exploring music instrument teaching and learning environments: video analysis as a means of elucidating process and learning outcomes. Music Education Research, v. 8, n. 2, pp. 191-215, 2006.

HADDON, Elizabeth. Observational learning in the music masterclass. British Journal of Music Education, v. 31, n. 1, pp. 55-68, 2014.

HANKEN, Ingrid Maria. The benefits of the master class: The masters’ perspective. Nordic Research in Music Education. Yearbook v.12, pp. 149-160, 2010.

HANKEN, Ingrid Maria; LONG, Marion. Master classes – What do they offer? NMH-publikasjoner, v. 8, 2012. Disponível em http://hdl.handle.net/11250/172653, acesso em 27 de dezembro de 2017.

KARLSSON, Jessica; JUSLIN, Patrik. Musical expression: an observational study of instrumental teaching. Psychology of Music, v. 36, n. 3, pp. 309-334, 2008.

KENNY, Dianna. The role of negative emotions in performance anxiety. In P. Juslin & J. Sloboda (Eds.), Handbook of music and emotion: Theory, research, applications (2nd ed., pp. 425–452). Oxford, UK: Oxford University Press.

LONG, Marion. Exploring Cognitive Strategies and Collaboration in Master Class Settings. In: GAUNT, H.; WESTERLUND, H. (Eds.). Collaborative Learning in Higher Music Education. (pp. 135-150). New York: Rotledge, 2013.

LONG, Marion; CREECH, Andrea; GAUNT, Helena; HALLAM, Susam. Conservatoire students’ experiences and perceptions of instrument specific master classes. Music Education Research, v. 16, pp. 176–192, 2014.

LONG, Marion; CREECH, Andrea; GAUNT, Helena; HALLAM, Susam, ROBERTSON, Linnhe. Blast from the past: Conservatoire students’ experiences and perceptions of public master classes. Musicae Scientiae, v. 16, pp. 286–306, 2012.

LONG, Marion; HALLAM, Susam; CREECH, Andrea; GAUNT, Helena; ROBERTSON, Linnhe. Do prior experience, gender, or level of study influence music students’ perspectives on master classes? Psychology of Music, v. 40, pp. 683–699, 2012.

LONG, Marion; GAUNT, Helena; HALLAM, Susam; CREECH, Andrea. Mapping master classes: Format, content & style. 2011. Disponível em https://www.academia.edu/2848688/Mapping_Master_classes, acesso em 18 de novembro de 2017.

SAMPIERI, Roberto Hernández; FERNÁNDEZ-COLLADO, Carlos; LUCIO, Pilar Batista. Metodología de la investigación. 4ª edición. México: McGraw-Hill Interamericana, 2006.

SCHON, Donald. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

SWANWICK, Keith. Ensino instrumental enquanto ensino de música. In: KATER, C. (Ed.). Cadernos de Estudo: Educação Musical. São Paulo: Atravez, 1994. pp.7-13.

TOURINHO, Ana Cristina Gama dos Santos. Ensino coletivo de violão: proposta para disposição física de estudantes e atividades correlatas. In KEHRWALD, M. I. P. e SILVEIRA, E. (Orgs.). Anais do 20º Seminário Nacional de Arte e Educação. Montenegro: Editora da Fundarte, 2006. Disponível em http://artenaescola.org.br/sala-de-leitura/artigos/artigo.php?id=69356, acessado em 23 de novembro de 2017.

WOODY, Robert. Emotion, imagery and metaphor in the acquisition of musical performance skill. Music Education Research, v. 4, n. 2, pp. 213-224, 2002.

WOODY, Robert. Musicians’ cognitive translation of imagery into properties of expressive performance. Paper presented at the National Biennial Convention of MENC: The National Association for Music Education, Minneapolis, 2004.

WOODY, Robert. The Effect of Various Instructional Conditions on Expressive Music Performance. Journal of Research in Music Education, v. 54, n. 1, pp. 21-36, 2006.

ZORZAL, Ricieri Carlini. Metáforas no ensino de música: um estudo de caso sobre o emprego de linguagem figurada em master-class de violão. In SANTIAGO, D.; BORDINI, R. M. (Orgs). Proceedings of the 3rd Symposium on Cognition and Musical Arts-International. Salvador: EDUFBA. pp. 384-389, 2007.

ZORZAL, Ricieri Carlini. Prática musical e planejamento da performance: contribuições teórico-conceituais para o desenvolvimento da autonomia do estudante de instrumento musical. Opus, v. 21, n. 3, p. 83-110, dez. 2015.

ZORZAL, Ricieri; LORENZO, Oswaldo. Teacher–student physical contact as an approach for teaching guitar in the master class context. Psychology of Music, pp. 1–14, 2017. DOI: 10.1177/0305735617737154.

Publicado
26-04-2019
Como Citar
Zorzal, R. C., & Coimbra, D. da C. (2019). Mapeando master classes em instrumento musical: um olhar quantitativo sobre as relações entre professor, aluno e performance nesse formato de ensino. Revista Música Hodie, 19. https://doi.org/10.5216/mh.v19.52801
Seção
Artigos