EROTISMO E SEXUALIDADE COMO CONDIÇÃO EMANCIPATÓRIA NA POESIA DE GILKA MACHADO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/lep.v24i2.64455

Resumo

O intuito deste estudo é, por meio da análise de poemas de Gilka da Costa Melo Machado (1893-1980), formar novos olhares sobre a relação da mulher com o próprio corpo, desconstruir estereótipos e preconceitos sobre a expressão de sua sexualidade e ressignificar sua condição de “sujeito social”, ofuscada pela condição inferiorizada, atrelada à vida doméstica. Essa grande poetisa não aceitou a condição determinada à mulher pelo patriarcado e desvela em seus poemas os desejos femininos, em obra de formação simbolista, com forte apelo romântico e erótico. Propomos uma análise do teor erótico e da sexualidade reprimida da mulher, sob um retrospecto da História das mulheres, tendo como escopo teórico os pressupostos de Beauvoir (1970), Friedan (1971), Chauí (1985), Saffioti (1987), Kolontai (2008), Bourdieu (2017) a respeito das relações de gênero; de Gomes (1994) e Candido (1995) sobre literatura; e Foucault (1988) e Bataille (1987) sobre sexualidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cleusa PIOVESAN, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Mestrado Profissional em Letras pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Brasil (2020); Quadro Próprio do Magistério do Secretaria de Educação do Estado do Paraná, Brasil; escritora.

Downloads

Publicado

28-02-2021

Como Citar

PIOVESAN, C. (2021). EROTISMO E SEXUALIDADE COMO CONDIÇÃO EMANCIPATÓRIA NA POESIA DE GILKA MACHADO . Linguagem: Estudos E Pesquisas, 24(2), 29–50. https://doi.org/10.5216/lep.v24i2.64455

Edição

Seção

Literatura de Autoria feminina: gênero, erotismo e interfaces