STANISŁAW LEM: FICÇÃO NA ENCRUZILHADA DA CIÊNCIA COM A METAFÍSICA

  • Henryk SIEWIERSKI Universidade de Brasília

Resumo

Este artigo discute, no âmbito da metafísica, o “eu poroso” e o “eu armado”, partindo uma radiografia das intuições religiosas e ateístas do século XX. A formulação teórica tem como base as conclusões do filósofo canadense Charles Taylor, na sua obra A Secular Age, que faz uma antinomia entre duas formulações do eu: o “eu poroso” (ou: self poroso) e o “eu armado” (ou: self protegido). O primeiro caso refere-se a um eu que se fez presente em eras passadas e que se deixava penetrar por crenças, superstições, anjos e demônios. O segundo é a forma contemporânea do eu armado e protegido com as conquistas da razão no campo da ciência e avanços da tecnologia. Ao contrário do eu poroso o eu armado tem sua autonomia garantida em face de elementos transcendentais e metafísicos. O corpus para a aplicação da teoria exposta é o escritor, filósofo e futurólogo polonês Stanisław Lem (1921, Lvov – 2006, Cracóvia), considerado um dos clássicos da ficção científica do século XX. Em sua obra ficcional, sobretudo, em Fantástico e futurologia a interface entre a ciência e a metafísica possibilita demonstrar a proposta de Charles Taylor. Aliás, o propósito deste ensaio é justamente apresentar essa interface, de modo a empregar a ficção como ação privilegiada para se colocar em questão os julgamentos acerca da ausência do “eu poroso”, ou do seu caráter anacrônico, no mundo “desencantado” de hoje.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Henryk SIEWIERSKI, Universidade de Brasília

Doutor em Ciências Humanas - Uniwersytet Jagiellonski - Polônia (1980). Professor Titular do Departamento de Teoria Literária e Literaturas da Universidade de Brasília (UnB)

Publicado
03-01-2017
Como Citar
SIEWIERSKI, H. (2017). STANISŁAW LEM: FICÇÃO NA ENCRUZILHADA DA CIÊNCIA COM A METAFÍSICA. Linguagem: Estudos E Pesquisas, 20(1). https://doi.org/10.5216/lep.v20i1.44850
Seção
Textos de autores convidados