IMPORTÂNCIA DA DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DOS VETORES DA DOENÇA DE CHAGAS EM PERNAMBUCO, BRASIL, EM 2012

Autores

  • Maria Beatriz Araújo Silva Laboratório Central de Pernambuco (LACEN)/Laboratório de Endemias (LABEND), Recife, Pernambuco, Brasil. Universidade de Pernambuco/UPE
  • Kelly Reis de Menezes Faculdade de Enfermagem Nossa Senhora das Graças - Universidade de Pernambuco Recife, Pernambuco, Brasil.
  • Amanda Marília Siqueira Laboratório de Bioinformática e Biologia Evolutiva, Departamento de Genética, Centro de Ciências Biológicas – Universidade Federal de Pernambuco - Recife, Pernambuco, Brasil.
  • Valdir de Queiroz Balbino Departamento de Genética, Centro de Ciências Biológicas (CCB), Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Recife, Pernambuco, Brasil.
  • Elias Seixas Lorosa
  • Maria Clara Guerra de Farias Laboratório Central de Pernambuco (LACEN)/Laboratório de Endemias (LABEND), Recife, Pernambuco, Brasil. Universidade de Pernambuco/UPE
  • Moisés Thiago de Souza Freitas Laboratório Nacional e Internacional de Referência em Taxonomia de Triatomíneos, Departamento de Entomologia, Fundação Oswaldo Cruz, Instituto Oswaldo Cruz. Rio de Janeiro, Brasil.
  • Andreia da Silva Laboratório Central de Pernambuco (LACEN)/Laboratório de Endemias (LABEND), Recife, Pernambuco, Brasil. Universidade de Pernambuco/UPE
  • Valdelira Maria Costa Portela Laboratório Central de Pernambuco (LACEN)/Laboratório de Endemias (LABEND), Recife, Pernambuco, Brasil. Universidade de Pernambuco/UPE
  • José Jurberg Departamento de Genética, Centro de Ciências Biológicas (CCB), Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Recife, Pernambuco, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.5216/rpt.v44i2.36650

Palavras-chave:

Triatomíneos, doença de Chagas, controle de qualidade, Pernambuco.

Resumo

Objetivos: Ressaltar a importância da distribuição geográfica e do comportamento dos vetores dadoença de Chagas no estado de Pernambuco. Métodos: O material analisado incluiu 100% dosinsetos infectados por Trypanosoma sp. e 40% dos insetos negativos, examinados no Laboratório deEndemias para confirmação taxonômica, pesquisa do parasito nas fezes dos triatomíneos e Controleda Qualidade na confirmação do diagnóstico. Resultados: Foram examinados 3.323 triatomíneos.A infecção natural por tripanossomatídeos foi detectada em 21,3% dos exemplares. Triatomabrasiliensis foi a espécie mais frequente no intradomicílio (24,3%), Triatoma pseudomaculata(14,9%) e Panstrongylus megistus apresentaram proporcionalmente taxa de infecção naturalsuperior às demais (40,8%) no peridomicílio. Conclusão: O conhecimento atualizado da distribuiçãogeográfica dos vetores da doença de Chagas é importante para fundamentar ações integradas entreos serviços de saúde, o que contribui para a vigilância entomológica no controle dos triatomíneos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

08-07-2015

Como Citar

Silva, M. B. A., de Menezes, K. R., Siqueira, A. M., Balbino, V. de Q., Lorosa, E. S., de Farias, M. C. G., Freitas, M. T. de S., da Silva, A., Portela, V. M. C., & Jurberg, J. (2015). IMPORTÂNCIA DA DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DOS VETORES DA DOENÇA DE CHAGAS EM PERNAMBUCO, BRASIL, EM 2012. Revista De Patologia Tropical / Journal of Tropical Pathology, 44(2), 195–206. https://doi.org/10.5216/rpt.v44i2.36650

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS / ORIGINAL ARTICLES