DISCIPLINAR E CONSTRANGER: O CORPO-CRIANÇA E SEU (NÃO)LUGAR NAS INSTITUIÇÕES EDUCATIVAS

Resumo

O artigo objetiva refletir sobre o corpo e a corporeidade infantil e como são vividos e constituídos nas instituições educativas. O texto é de natureza bibliográfica e as reflexões críticas empreendidas nos auxiliam a reconhecer que as práticas, espaços e relações estabelecidas atuam para disciplinar e constranger os corpos infantis com vistas a produzir o corpo-aluno. A partir da base teórica, foi possível reconhecer como, historicamente, a educação dirigida aos sujeitos infantis transforma o corpo-criança em corpo-aluno, processo instaurado desde a Educação Infantil a partir das práticas e rituais instituídos e ancorados em um conjunto de estratégias de vigilância, sanções e punições. As ponderações acerca dos modos de ser dos sujeitos infantis nas instituições educativas evidenciam que o corpo e a corporeidade passam, desde cedo, a ser objeto de investidas que acabam por anular as características infantis e atuar na constituição de alunos ajustados ao sistema escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline Cristiane Ribeiro Ferreira dos Santos, Universidade Estadual do Centro-Oeste-unicentro/ PPGE-Programa de Pós-Graduação em Educação

Formada em Arte Educação pela Universidade Estadual do Centro Oeste - UNICENTRO (2016). Mestra em Educação pelo PPGE - Programa de Pós Graduação em Educação da Universidade Estadual do Centro Oeste - UNICENTRO.

Aliandra Cristina Mesomo Lira, UNICENTRO/DEPed/PPGE

Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo (USP). Professora Associada do Departamento de Pedagogia e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual do Centro-Oeste/UNICENTRO, Guarapuava/PR.

Publicado
11-01-2021
Como Citar
Santos, A. C. R. F. dos, & Lira, A. C. M. (2021). DISCIPLINAR E CONSTRANGER: O CORPO-CRIANÇA E SEU (NÃO)LUGAR NAS INSTITUIÇÕES EDUCATIVAS. Revista Inter Ação, 45(3), 906-922. https://doi.org/10.5216/ia.v45i3.64193