AS PRÁTICAS E REPRESENTAÇÕES DE LEITURA NA CIDADE DE GOIÂNIA (1937– 1960)

Autores

  • Orlinda Maria de Fátima Carrijo Melo Faculdade de Educação da UFG

DOI:

https://doi.org/10.5216/ia.v38i1.18307

Palavras-chave:

Leituras, práticas e representações, modernidade

Resumo

Nesse trabalho, analisam-se as práticas e representações de leitura na cidade de Goiânia, no período de 1933 a 1959. A partir da narrativa da transferência da capital de Goiás, são levantadas algumas questões: por onde circulava a leitura nesse período? Quem lia? Como lia? O que lia? Quando lia? Em que medida o material impresso (livros, revistas, jornais, almanaques, folhetins) influenciava o imaginário social e o processo educativo da época? O conjunto dessas questões, tendo por base a história cultural, levou a uma reflexão sobre os valores atribuídos à leitura e às instituições de leitura em uma cidade planejada de acordo com os preceitos da modernidade, do processo e da cultura urbana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Orlinda Maria de Fátima Carrijo Melo, Faculdade de Educação da UFG

Doutora e mestre em Educação pela UNICAMP. Professora associada dos cursos de graduação e pós graduação da FE-UFG. Pesquisadora na áreas de linguagem, leitura, literatura, escrita e formação de professores. Possui livros publicados e também artigos em revistas especializadas. e-mail: carrijomelo@uol.com.br

Downloads

Publicado

28-06-2013

Como Citar

Melo, O. M. de F. C. (2013). AS PRÁTICAS E REPRESENTAÇÕES DE LEITURA NA CIDADE DE GOIÂNIA (1937– 1960). Revista Inter Ação, 38(1), 205–219. https://doi.org/10.5216/ia.v38i1.18307