EFEITO AUXILIAR DO CERUMINOLÍTICO NA TERAPIA TÓPICA DE CÃES (Canis lupus familiaris) COM OTITE EXTERNA CERUMINOSA

  • Eduardo Negri Mueller Universidade Federal de Pelotas
  • Êmille Gedoz Guiot Universidade Federal de Pelotas
  • Rosema Santin Universidade Federal de Pelotas
  • Mário Carlos Araújo Meireles Universidade Federal de Pelotas
  • Luiz Filipe Damé Schuch Universidade Federal de Pelotas
  • Márcia de Oliveira Nobre Universidade Federal de Pelotas
Palavras-chave: Sanidade animal

Resumo

Avaliou-se o efeito auxiliar do ceruminolítico em cães com otite externa. Foram estudados cães com otite externa ceruminosa bilateral, cujas orelhas foram avaliadas por palpação, inspeção, otoscopia e cultivos fúngico e bacteriano. Para o tratamento, realizado duas vezes ao dia por 15 dias, os animais foram divididos em dois grupos A e B. Os animais do grupo A foram tratados com ceruminolítico e solução otológica, contendo, respectivamente, ácido salicílico e aminoglicosídeo, e os do grupo B somente com solução otológica. Realizaram-se avaliações clínicas e microbiológicas nos dias 0 e após 15 de tratamento. Foram estudados 20 cães (n=40 orelhas), com no mínimo eritema na otoscopia e cerúmen em quantidade moderada a intensa. Além desaes, foram mais frequentemente observados eritema (n=16 em ambos grupos) e exsudato ceruminoso na concha acústica (n=14 e n=11, respectivamente, grupos A e B) e  prurido (n=13 e n=11, respectivamente, grupos A e B). Aos 15 dias de tratamento, observou-se redução de todos os sinais clínicos, exceto estenose, que não alterou em nenhum dos grupos, e otalgia, que aumentou no grupo A. Também houve redução dos microrganismos Malassezia pachydermatis e Staphylococcus sp. no grupo B com significância estatística. Bactérias foram mais sensíveis à gentamicina. O uso de ceruminolítico associado à solução otológica reduz os sinais clínicos de otite externa, principalmente odor fétido na concha acústica e quantidade de cerúmen na otoscopia, não interferindo na redução de microrganismos.

 

PALAVRAS-CHAVE: ácido salicílico; exsudato; solução otológica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Negri Mueller, Universidade Federal de Pelotas
Programa de Pós-Graduação em Veterinária, Faculdade de Veterinária, Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Campus Universitário Capão do Leão s/nº, CEP 96.010- 900, Pelotas, RS, Brasil. Email: enmuellervet@yahoo.com.br
Êmille Gedoz Guiot, Universidade Federal de Pelotas
Bolsista PIBIC/CNPq, UFPel
Rosema Santin, Universidade Federal de Pelotas
Programa de Pós-Graduação em Veterinária, Faculdade de Veterinária, Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Campus Universitário Capão do Leão s/nº, CEP 96.010- 900, Pelotas, RS, Brasil.
Mário Carlos Araújo Meireles, Universidade Federal de Pelotas
Departamento de Veterinária Preventiva, Faculdade de Veterinária, UFPel
Luiz Filipe Damé Schuch, Universidade Federal de Pelotas
Departamento de Veterinária Preventiva, Faculdade de Veterinária, UFPel
Márcia de Oliveira Nobre, Universidade Federal de Pelotas
Dr. Departamento de Clínicas Veterinária, Faculdade de Veterinária, UFPel
Publicado
26-03-2013
Como Citar
Mueller, E. N., Guiot, Êmille G., Santin, R., Meireles, M. C. A., Schuch, L. F. D., & Nobre, M. de O. (2013). EFEITO AUXILIAR DO CERUMINOLÍTICO NA TERAPIA TÓPICA DE CÃES (Canis lupus familiaris) COM OTITE EXTERNA CERUMINOSA. Ciência Animal Brasileira, 14(1), 59-64. Recuperado de https://www.revistas.ufg.br/vet/article/view/9965
Seção
Medicina Veterinária