DEGRADAÇÃO RUMINAL DA MATÉRIA SECA, DA PROTEÍNA E DOS AMINOÁCIDOS DO MILHO E DE GERMENS DE MILHO

Autores

  • Reginaldo Nassar Ferreira ICB/UFG
  • Jane Maria Bertocco Ezequiel FCAV/UNESP
  • Beneval Rosa EV/UFG
  • Sérgio do Nascimento Kronka FCAV/UNESP
  • Juliana Borbari Dourado FCAV/UNESP
  • Rosimeiry Laís Galati FCAV/UNESP

Palavras-chave:

Digestibilidade, rumen

Resumo

O trabalho foi desenvolvido na Faculdade de Ciên-cias Agrárias e Veterinárias da UNESP de Jaboticabal. Utilizaram-se três bovinos ¾ holandês x zebu, fistulados no rúmen, no abomaso e no intestino delgado com cânu-la fixa tipo T. Testaram-se quatro alimentos: milho (M); gérmen de milho com 1% de EE (G1), gérmen de milho com 7% de EE (G7) e gérmen de milho com 10 % de EE (G10). Os mesmos alimentos foram também extrusados: MEx; G1Ex; G7Ex e G10Ex. Procedeu-se à incubação ruminal, usando-se a técnica de sacos de náilon, à degra-dabilidade da MS e da PB e à disponibilização de AA. A dieta básica foi composta de gérmen de milho, farelo de soja e feno de capim Coastcross, numa relação volumoso concentrado de 70:30. A degradação ruminal da MS apre-sentou os seguintes valores para os alimentos M, G1, G7 e G10, respectivamente 37,5%, 56,6%, 56,8% e 55,1%. Para os alimentos extrusados, foi de 52,3%, 68,9%, 69,0% e 61,6%, para MEx, G1Ex, G7Ex e G10Ex. O M mostrou-se significativamente inferior aos demais alimentos e a extrusão aumentou a degradabilidade ruminal da MS para todos os alimentos. A degradabilidade da proteína bruta foi de 27,0%, 60,9%, 56,8% e 35,1%, para M, G1, G7 e G10 e de 50,8%, 52,2%, 66,4% e 59,6% para MEx, G1Ex, G7Ex e G10Ex, respectivamente. A extrusão somente não aumentou a degradabilidade da PB do G1. A lisina apresentou alta degradabilidade ruminal para os alimentos testados, com valores acima de 99% de degradabilidade. A metionina apresentou valor de degradabilidade inferior para M (37,4%) em relação a G10 (57,1%). A treonina não apresentou diferenças entre os alimentos e a extrusão. Concluiu-se que o processamento do milho com a obten-ção de seus subprodutos pode aumentar a degradabilidade ruminal da matéria seca e proteína bruta e metionina, mas que, dependendo da intensidade do processamento, a de-gradabilidade da PB pode não ser alterada comparada ao milho. A extrusão aumenta a degradabilidade ruminal de MS do milho e subprodutos.

PALAVRAS-CHAVES:  Aminoácidos, degradabilidade, extrusão, ruminantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

12-09-2007

Como Citar

Ferreira, R. N., Ezequiel, J. M. B., Rosa, B., Kronka, S. do N., Dourado, J. B., & Galati, R. L. (2007). DEGRADAÇÃO RUMINAL DA MATÉRIA SECA, DA PROTEÍNA E DOS AMINOÁCIDOS DO MILHO E DE GERMENS DE MILHO. Ciência Animal Brasileira, 8(3), 407–416. Recuperado de https://www.revistas.ufg.br/vet/article/view/1678

Edição

Seção

Produção Animal