O ESTATUTO DA LINGUAGEM NO PENSAMENTO DO JOVEM NIETZSCHE: REFLEXÕES SOBRE A FISIOLOGIA DOS FENÔMENOS ESTÉTICOS

Autores

  • André Luis Muniz Garcia Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.5216/phi.v16i2.10298

Palavras-chave:

Jovem Nietzsche, Fisiologia, Linguagem, Tragédia.

Resumo

O objetivo do presente artigo, pensado preliminarmente como parte integrante de um estudo mais amplo e sistemático sobre o processo de formação do pensamento do jovem Nietzsche, é discutir o estatuto da linguagem em suas considerações sobre estética, notadamente naquela apresentada nos fragmentos, apontamentos e escritos póstumos preparatórios d’O Nascimento da Tragédia. Como se poderá notar, o viés de investigação proposto, respaldado em importantes estudos de literatura secundária, primou por uma esmerada, porém não exaustiva, reconstituição do trinômio: linguagem sonora (Tonsprache), linguagem-de-gesto (Geberdensprache) e linguagem-de-palavra (Wortsprache), que margeia a investigação nietzscheana sobre a origem, desenvolvimento e perecimento da tragédia grega.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Luis Muniz Garcia, Universidade Estadual de Campinas

Doutorando em Filosofia pela Universidade Estadual de Campinas

Downloads

Publicado

30-12-2011

Como Citar

Garcia, A. L. M. (2011). O ESTATUTO DA LINGUAGEM NO PENSAMENTO DO JOVEM NIETZSCHE: REFLEXÕES SOBRE A FISIOLOGIA DOS FENÔMENOS ESTÉTICOS. Philósophos - Revista De Filosofia, 16(2), DOI: 10.5216/phi.v16i2.10298. https://doi.org/10.5216/phi.v16i2.10298

Edição

Seção

Artigos Originais