PREVALÊNCIA E ETIOLOGIA DE MASTITE BOVINA SUBCLÍNICA EM PROPRIEDADES DO ESTADO DE GOIÁS QUE UTILIZAM ORDENHADEIRAS NA OBTENÇÃO DO LEITE

Autores

  • Maria Auxiliadora Andrade UFG
  • Albenones José de Mesquita UFG
  • Francisco de Carvalho Dias Filho UFG
  • Valéria de Sá Jayme UFG

Palavras-chave:

Mastite subclínica, leite bovino, patágenos ambientais, patógenos contagiosos

Resumo

Foram submetidas ao California Mastitis Test (CMT) 942 vacas, em sua maioria da raça holandesa preta e branca, aparentemente saudáveis, de 25 propriedades leiteiras, que utilizavam ordenhadeira mecânica na obtenção do leite, localizadas no Estado de Goiás. Observou-se que 375 (39,8%) animais apresentaram resultado de +, ++, +++ ao CMT. Os leites de cada teto que reagiram ao CMT, perfazendo um total de 667 amostras, foram analisados bacteriologicamente, visando ao isolamento e à identificação dos microrganismos envolvidos nas infecções intramamárias. Foram isoladas 938 cepas em culturas puras ou em associação: Staphylococcus aureus, 291 (30,2%), Corynebacterium bovis, 120 (12,5%), Staphylococcus coagulase negativa, 112(11,6%), Strepococcus agalactia, 14 (1,5%), Streptococcus uberis, 36 (3,7%), Streptococcus pyogenes, 12 (1,2%), Streptococcus spp., 66 (6,9%), Pseudomonas spp., 96 (10,0%), Corynebacterium pyogenes, 24 (2,5%), Escherichia coli, 60 (6,2%); Nocardia spp., 14 (1,5%) e outros, 93 (9,6%). Esses microrganismos foram categorizados em patógenos contagiosos (55,8%) e em patógenos ambientais (41,6%), apresentando variação estatisticamente significativa.

PALAVRAS-CHAVE: Mastite subclínica; leite bovino; patágenos ambientais; patógenos contagiosos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

18-12-2007

Como Citar

ANDRADE, M. A.; MESQUITA, A. J. de; DIAS FILHO, F. de C.; JAYME, V. de S. PREVALÊNCIA E ETIOLOGIA DE MASTITE BOVINA SUBCLÍNICA EM PROPRIEDADES DO ESTADO DE GOIÁS QUE UTILIZAM ORDENHADEIRAS NA OBTENÇÃO DO LEITE. Pesquisa Agropecuária Tropical, [S. l.], v. 28, n. 1, p. 29–42, 2007. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/pat/article/view/2980. Acesso em: 15 jun. 2021.

Edição

Seção

Artigo Científico