ADUBAÇÃO MINERAL E ORGÂNICA DA ABÓBORA HÍBRIDA: CRESCIMENTO

  • Natan Fontoura da Silva UFG
  • Paulo Cezar Rezende Fontes UFV
  • Francisco Affonso Ferreira UFV
  • Antônio Américo Cardoso UFV
Palavras-chave: Moranga híbrida, Cucurbita maxima x C. moschata, crescimento

Resumo

Com finalidade de avaliar a resposta da abóbora híbrida cv. Tetsukabuto à adubação orgânica e mineral, foram realizados sete experimentos em Ponte Nova, Minas Gerais, em solo podzólico vermelho-amarelo câmbico fase terraço. Cada experimento constituiu uma época de amostragem, que foi iniciada aos 21 dias e encerrada aos 105 dias após a semeadura, com intervalos regulares de 14 dias. Nestes experimentos foram testados cinco tratamentos de adubação mais um tratamento controle (sem adubação). Nos tratamentos de adubação, definidos por meio de um corte em diagonal de um fatorial completo, foram aplicadas as doses de 0; 3; 6; 9 e 12 t/ha (base seca) de composto orgânico de resíduo de suínos e bagaço de cana, juntamente com 0,772; 0,579; 0,386; 0,193 e 0 t/ha de adubo mineral NPK 4-14-8, respectivamente, em quatro repetições, no delineamento de blocos ao acaso. A substituição de parte da adubação mineral pela orgânica aumentou o número de nós da rama principal, o comprimento total da ramificação e os pesos das matérias secas da parte aérea, da parte reprodutiva e do fruto. A maior porcentagem de matéria seca no fruto e o menor crescimento vegetativo, aos 105 dias após a semeadura, foram obtidos quando toda a adubação mineral foi substituída pela orgânica.

PALAVRAS-CHAVE: Moranga híbrida; Cucurbita maxima x C. moschata; crescimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
13-12-2007
Como Citar
SILVA, N. F. DA; FONTES, P. C. R.; FERREIRA, F. A.; CARDOSO, A. A. ADUBAÇÃO MINERAL E ORGÂNICA DA ABÓBORA HÍBRIDA: CRESCIMENTO. Pesquisa Agropecuária Tropical, v. 29, n. 1, p. 11-18, 13 dez. 2007.
Seção
Artigo Científico