RESISTÊNCIA DE TOMATEIRO (Lycopersicon esculentum) AO PATÓGENO Alternaria solani

  • Reinaldo Soares de Paula
  • Wilson Ferreira de Oliveira
Palavras-chave: Tomateiro, resistência, Alternaria solani

Resumo

O objetivo deste trabalho foi avaliar níveis de resistência de variedades comerciais de tomateiro ao patógeno Alternaria solani. Os genótipos são pertencentes ao banco de germoplasma do CNPH-Embrapa, compreendendo híbridos F1, que foram avaliados em condições de campo. Os ensaios foram conduzidos nos campos experimentais da Escola de Agronomia e Engenharia de Alimentos da Universidade Federal de Goiás, em Goiânia-GO, a uma altitude de 730 m, latitude de 16° 41'S e longitude de 49° 17'W. As avaliações foram realizadas aos 36, 43, 50, 57, 64, 71, 78 e 85 dias após o transplantio, combinando-se escala diagramática e de notas. As variedades Ohio 4013 e CNPH 738 foram as mais resistentes entre os materiais tutorados. Entre os materiais rasteiros os mais resistentes foram o híbrido F1 Hawaii 7998 x Monense e Rotam 4. O genótipo Ohio 4013 e híbrido F1 Hawaii 7998 x Monense foram os que mais se destacaram para resistência a este patógeno, podendo ser indicados para futuros programas de melhoramento.

PALAVRAS-CHAVE: Tomateiro; resistência; Alternaria solani.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Reinaldo Soares de Paula
Universidade Estadual de Goiás, CEP 76.100-000, São Luis de Montes Belos - Goiás. E-mail: reinaldoengenheiro@bol.com.br
Publicado
12-11-2007
Como Citar
PAULA, R. S. DE; OLIVEIRA, W. F. DE. RESISTÊNCIA DE TOMATEIRO (Lycopersicon esculentum) AO PATÓGENO Alternaria solani. Pesquisa Agropecuária Tropical, v. 33, n. 2, p. 89-95, 12 nov. 2007.
Seção
Artigo Científico