INFLUÊNCIA DA DENSIDADE DE INÓCULO DE Fusarium solani f.sp. phaseoli NA SEVERIDADE DA PODRIDÃO RADICULAR SECA DO FEIJOEIRO

Autores

  • Gesimária Ribeiro Costa
  • Jefferson Luis da Silva Costa

Palavras-chave:

Solo supressivo, solo conducivo, Phaseolus vulgaris

Resumo

Foram testadas quatro densidades de inóculo de Fusarium solani, em gramas por litro de solo (1,0; 2,0; 4,0 e 8,0) e um tratamento testemunha, em solo tipo Latossolo Vermelho-Escuro, cultivado e não cultivado, com o objetivo de determinar a densidade mínima de inóculo no solo necessária para a ocorrência de podridão radicular seca do feijoeiro. Como variáveis respostas foram avaliadas: número de microorganismos totais do solo, número de propágulos de F. solani, atividade microbiológica total do solo e severidade da doença em plântulas. Os resultados indicaram que a densidade de inóculo do fungo variou com o tipo de solo. Para um solo não cultivado a densidade necessária para causar a doença esteve acima de 5.127 propágulos por grama de solo, enquanto para o solo cultivado a densidade de inóculo para causar doença foi de 3.701 propágulos por grama de solo. Os índices de doença em plântulas cultivadas sob o solo cultivado foram duas vezes superiores ao índice de doença de plântulas sob o solo não cultivado. A atividade microbiológica total nos solos, determinada pela desidrogenase de fluorescina diacetato, não se correlacionou com a população dos microorganismos, indicando que a simples presença desses não implica em que estejam ativos.

PALAVRAS-CHAVE: Solo supressivo; solo conducivo; Phaseolus vulgaris.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gesimária Ribeiro Costa

Instituto de Ciências Biológicas, Departamento de Fitopatologia, Universidade de Brasília. Campus Universitário Darcy Ribeiro.
Caixa Postal 4457. CEP. 70910-970, Brasília, DF. E-mail: gcosta@unb.br

Downloads

Publicado

10-11-2007

Como Citar

COSTA, G. R.; COSTA, J. L. da S. INFLUÊNCIA DA DENSIDADE DE INÓCULO DE Fusarium solani f.sp. phaseoli NA SEVERIDADE DA PODRIDÃO RADICULAR SECA DO FEIJOEIRO. Pesquisa Agropecuária Tropical, [S. l.], v. 34, n. 2, p. 89–92, 2007. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/pat/article/view/2330. Acesso em: 11 abr. 2021.

Edição

Seção

Artigo Científico