OS GEÓGRAFOS ANARQUISTAS E A CIDADE: PRODUZIR ESPAÇOS DIFERENTES ENTRE MORFOLOGIA URBANA E MUDANÇA SOCIAL - DOI 10.5216/bgg.v34i3.33853

Autores

  • Federico Ferretti Universidade de Genebra

DOI:

https://doi.org/10.5216/bgg.v34i3.33853

Resumo

Este artigo trata da contribuição dos geógrafos anarquistas Elisée Reclus e Pëtr Kropotkin para a construção de uma geografia urbana crítica, particularmente mediante sua colaboração com o urbanista escocês Patrick Geddes. As fontes estudadas demonstram que, se esses autores são considerados normalmente como pioneiros do planejamento regional, na obra deles são igualmente importantes os assuntos do estudo social e estratégico dos diferentes bairros, segundo a ideia que considera a cidade como o lugar da sociabilidade humana e da produção dos saberes. Então, o contexto urbano pode ser o teatro das lutas para a ruptura do controle e para a afirmação do direito não somente à cidade, mas também a uma sociedade diferente.


Palavras-chave: geógrafos anarquistas, urbanismo crítico, ajuda mútua, direito à cidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

10-01-2015

Como Citar

Ferretti, F. (2015). OS GEÓGRAFOS ANARQUISTAS E A CIDADE: PRODUZIR ESPAÇOS DIFERENTES ENTRE MORFOLOGIA URBANA E MUDANÇA SOCIAL - DOI 10.5216/bgg.v34i3.33853. Boletim Goiano De Geografia, 34(3), 399–421. https://doi.org/10.5216/bgg.v34i3.33853

Edição

Seção

Artigos