Henrique VI de Hoenstaufenem majestade: uma análise de suas representações imagéticas entre o Liber ad honorem augusti (1197) e o Códex Manesse (1340) DOI10.5216/o.v14i2.30906

Autores

  • Vinicius Cesar Dreger de Araujo Centro Universitário Anhanguera - Osasco e Universidade Cruzeiro do Sul

DOI:

https://doi.org/10.5216/o.v14i2.30906

Palavras-chave:

Sacro Império Romano, Henrique VI, Iconografia, Liber ad honorem Augusti, Codex Manesse

Resumo

Buscamos neste artigo analisar os desenvolvimentos das representações iconográficas do monarca em majestade entre os séculos XII e XIV a partir das imagens que representam o imperador Henrique VI do Sacro Império Romano extraídas do Liber ad honorem Augusti (1197) e do Codex Manesse (1340). Henrique VI é um monarca pouco estudado pela historiografia medievalista brasileira, que costuma dar mais atenção aos seus antecessor e sucessor imediatos, os imperadores Frederico I e Frederico II. Contudo, se trata de uma figura de grande importância em seu período, sendo responsável pela expansão considerável do programa de revitalização do prestígio imperial herdado de seu pai, através da conquista do Reino Normando da Sicília, da submissão de diversos reinos ao Sacro Império Romano e a liderança no movimento Cruzado, além de poeta. Analisamos a produção iconográfica focada em Henrique VI através de processos de despersonalização e estereotipificação das representações, e recorrendo ao princípio das mesmas, durante a dinastia Otônida (século X), assim como através dos processos de instituição de uma monarquia transpessoal no Império a partir do século XI.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vinicius Cesar Dreger de Araujo, Centro Universitário Anhanguera - Osasco e Universidade Cruzeiro do Sul

Possui graduação em História pela Universidade de São Paulo (1999), mestrado em História Social pela Universidade de São Paulo (2004) e doutorado em História Social pela Universidade de São Paulo (2011). Suas pesquisas encontram-se focadas na história da Germânia Imperial entre os séculos VIII e XIII, bem como na imbricação entre a história germânica com a de outras regiões europeias (notadamente Inglaterra e Reino Normando-Siciliano) e com a das Cruzadas. É membro do Brathair Grupo de Estudos Celtas e Germânicos e do NEIBRAM Núcleo de Estudos Interdisciplinares das Ilhas Britânicas: Antiguidade e Medievo. Tem experiência na área de História, com ênfase em História Antiga e Medieval, atuando principalmente nos seguintes temas: fontes e documentos, História Germânica, História da Cultura Política e História Militar. No momento atua no ensino de pós-graduação no Centro Universitário Anhanguera de Osasco (SP) e na Universidade Cruzeiro do Sul (SP).

Downloads

Publicado

29-10-2014

Como Citar

Araujo, V. C. D. de. (2014). Henrique VI de Hoenstaufenem majestade: uma análise de suas representações imagéticas entre o Liber ad honorem augusti (1197) e o Códex Manesse (1340) DOI10.5216/o.v14i2.30906. OPSIS, 14(2), 339–359. https://doi.org/10.5216/o.v14i2.30906