Radicalizar o "Cine Imperfecto" cubano - Sara Gómez

Autores

  • Ana Maria Veiga Universidade Federal da Paraíba

DOI:

https://doi.org/10.5216/hr.v23i1.51912

Resumo

Discute-se neste texto a inserção de Sara Gómez nos chamados Novos Cinemas Latino-Americanos, mais especificamente no “Cinema Imperfeito” cubano, organicamente ligado à Revolução de 1959 e afinado com os ideais socialistas, que aparecem em temáticas políticas e também nas escolhas estéticas dos diretores. Negra e mulher, Sara logo se revelou uma grande cineasta, trabalhando essas questões no longa-metragem De cierta manera, de 1974. Mesmo sem se autodeclarar feminista, o filme em questão assinala o colapso de valores tradicionais, como a assimetria de gênero e a submissão das mulheres na sociedade cubana. A Revolução traria a igualdade em todos os setores, incluindo uma sonhada equidade de gênero. Sua obra foi e tem sido apropriada por pesquisadoras feministas por ter se tornado um marco latino-americano durante uma década tocada e estremecida pela efervescência do movimento feminista e pela entrada visível das mulheres no campo do cinema. São essas relações que se busca analisar neste artigo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Maria Veiga, Universidade Federal da Paraíba

Professora de História da Universidade Federal da Paraíba, com pesquisa nas áreas de cinema e imagem, teoria, gênero e interseccionalidades e de estudos pós/decoloniais.

Downloads

Publicado

02-12-2018

Como Citar

Veiga, A. M. (2018). Radicalizar o "Cine Imperfecto" cubano - Sara Gómez. História Revista, 23(1), 28–48. https://doi.org/10.5216/hr.v23i1.51912