Sífilis congênita em região da amazônia brasileira: análise temporal e espacial

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/ree.v22.62349

Palavras-chave:

Sífilis Congênita, Análise Espacial, Infecções Sexualmente Transmissíveis, Enfermagem

Resumo

Objetivo: Analisar a tendência temporal e distribuição espacial da sífilis congênita em uma região da Amazônia brasileira. Metodologia: Estudo ecológico realizado com casos de sífilis congênita em crianças menores de um ano de idade no Pará empregando dados do Sistema de Informação de Agravo de Notificação e do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos, 2007 a 2017. Aplicou-se análise de autocorrelação espacial de Moran e análise temporal pelo método joinpoint. Resultados: A taxa de incidência bruta e média de sífilis congênita para o período do estudo foi de 3,8 e 0,345 (x1.000 nascidos vivos), respectivamente. A incidência de sífilis congênita apresentou tendência crescente com variação percentual anual de 12,0% (IC 9,8–14,8; p=0,000). A sífilis congênita apresentou expansão territorial, com as maiores taxas nos municípios do nordeste, sudeste e sudoeste paraense. Conclusão: A sífilis congênita apresentou tendência crescente contínua no Pará e expansão territorial. Nossos resultados sugerem ineficácia do acompanhamento de pré-natal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Publicado

29-12-2020

Como Citar

1.
Costa BAG da, Santos DF dos, Hayase KAS, Santos MMQ, Naiff GRO, Botelho EP. Sífilis congênita em região da amazônia brasileira: análise temporal e espacial. Rev. Eletr. Enferm. [Internet]. 29º de dezembro de 2020 [citado 27º de outubro de 2021];22. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/fen/article/view/62349

Edição

Seção

Artigo Original