Deficiências e incapacidades na hanseníase: do diagnóstico à alta por cura

  • Emanuelle Malzac Freire de Santana Universidade Federal da Paraíba, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem
  • Karen Krystine Gonçalves de Brito Universidade Federal da Paraíba, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem
  • Jordana de Almeida Nogueira Universidade Federal da Paraíba
  • Oriana Deyze Correia Paiva Leadebal Universidade Federal da Paraíba
  • Marta Miriam Lopes Costa Universidade Federal da Paraíba
  • Mirian Alves da Silva Universidade Federal da Paraíba
  • Maria Júlia Guimarães Oliveira Soares Universidade Federal da Paraíba
Palavras-chave: Hanseníase, Pessoas com Deficiência, /prevenção & controle, Atenção Secundária à Saúde.

Resumo

Objetivou-se comparar o grau de incapacidade física, os sítios corporais afetados, as deficiências e incapacidades presentes e os nervos acometidos no diagnóstico e na alta em pacientes com hanseníase.  Trata-se de um estudo desenvolvido entre 2009 e 2014 em centro de referência para hanseníase na Paraíba. Envolveu 414 prontuários, utilizando formulário estruturado. Os dados foram analisados através de técnicas de estatística descritiva (frequência absoluta e percentagem) e inferencial (Teste de Wilcoxon e Mcnemar). Nota-se decréscimo do acometimento dos sítios corporais (nariz p=0,000), das deficiências (ressecamento p=0,002 e ferida p=0,000 no nariz e úlcera p=0,004 nos pés) e da quantidade de nervos afetados (p=0,000) entre o diagnóstico e a alta por cura. Na análise dos anos 2009-2014 observa-se redução da quantidade de pacientes apresentando grau de incapacidade física 2. Conclui-se, portanto, que mesmo após a alta os pacientes estão propícios a desenvolver ou agravar incapacidades físicas, necessitando de acompanhamento periódico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Emanuelle Malzac Freire de Santana, Universidade Federal da Paraíba, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem
Fisioterapeuta, Mestre em Enfermagem. Discente do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, nível Doutorado, da Universidade Federal da Paraíba. Docente Supervisora da Faculdade Maurício de Nassau - João Pessoa. João Pessoa, PB, Brasil. E-mail: manumalzac@gmail.com.
Karen Krystine Gonçalves de Brito, Universidade Federal da Paraíba, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem
Enfermeira, Mestre em Enfermagem. Discente do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, nível Doutorado, da Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa, PB, Brasil. E-mail: karen_enf@yahoo.com.br.
Jordana de Almeida Nogueira, Universidade Federal da Paraíba
Enfermeira, Doutora em Enfermagem. Professora Associada da Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa, PB, Brasil. E-mail: jalnogueira31@gmail.com.
Oriana Deyze Correia Paiva Leadebal, Universidade Federal da Paraíba
Enfermeira, Doutora em Enfermagem. Professora Adjunta da Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa, PB, Brasil. E-mail: orianadcpl@gmail.com.
Marta Miriam Lopes Costa, Universidade Federal da Paraíba
Enfermeira, Doutora em Enfermagem. Professora Adjunta da Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa, PB, Brasil. E-mail: orianadcpl@gmail.com.
Mirian Alves da Silva, Universidade Federal da Paraíba
Enfermeira, Doutora em Enfermagem. Professora Adjunta da Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa, PB, Brasil. E-mail: miads.enf@gmail.com.
Maria Júlia Guimarães Oliveira Soares, Universidade Federal da Paraíba

Enfermeira, Doutora em Sociologia. Professora Associada da Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa, PB, Brasil. E-mail: mmjulieg@gmail.com.

Publicado
27-08-2018
Como Citar
Santana, E. M. F. de, Brito, K. K. G. de, Nogueira, J. de A., Leadebal, O. D. C. P., Costa, M. M. L., Silva, M. A. da, & Soares, M. J. G. O. (2018). Deficiências e incapacidades na hanseníase: do diagnóstico à alta por cura. Revista Eletrônica De Enfermagem, 20. https://doi.org/10.5216/ree.v20.50436
Seção
Artigo Original