Percepção das mães sobre o processo comunicacional na unidade de terapia intensiva neonatal

Autores

  • Tarciany F. Fraga Instituto de Cardiologia de São José
  • Lúcia Nazareth Amante Universidade Federal de Santa Catarina
  • Jane Cristina Anders Universidade Federal de Santa Catarina
  • Maria Itayra Coelho de Souza Padilha Universidade Federal de Santa Catarina
  • Luizita Henckemaeir Universidade do Sul de Santa Catarina
  • Roberta Costa Universidade Federal de Santa Catarina
  • Lisnéia Fabiani Bock Centro Universitário Metodista do Sul

DOI:

https://doi.org/10.5216/ree.v11.47175

Palavras-chave:

Enfermagem Neonatal, Comunicação, Terapia Intensiva Neonatal

Resumo

Este estudo teve como objetivo compreender a percepção da mãe sobre o processo comunicacional entre esta e a equipe de enfermagem na internação do recém-nascido na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal de um hospital escola do sul do Brasil. Conduziu-se a coleta de dados mediante entrevista semi-estruturada, realizada com sete mães de recém-nascidos internados neste setor em 2007. A análise dos dados foi qualitativa. As mães perceberam que o processo comunicacional era utilizado de forma inadequada por alguns membros da equipe de enfermagem; que a mecanização do cuidado e a falta de compromisso profissional influenciavam no processo de comunicação, tanto na compreensão das mensagens quanto no relacionamento interpessoal e no acolhimento. Os resultados revelaram a necessidade de preparar os profissionais de enfermagem sobre o atendimento a família e o uso da comunicação terapêutica, incluindo o seu ensino na graduação e na educação em serviço. Cabe ressaltar dois pontos essenciais para o cuidado das mães nas unidades assistenciais de saúde: oferta periódica de momentos educativos para a equipe de saúde sobre os temas comunicação e família e a inclusão dos temas família e comunicação na formação dos profissionais com o intuito de prepará-los para as situações desafiadoras no cuidado às famílias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tarciany F. Fraga, Instituto de Cardiologia de São José

Enfermeira do Instituto de Cardiologia de São José e da Policlínica do Estreito em Florianópolis. E-mail: tarcianyff@yahoo.com.br

Lúcia Nazareth Amante, Universidade Federal de Santa Catarina

Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Docente Adjunto do Departamento de Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). E-mail: luciamante@ccs.ufsc.br

Jane Cristina Anders, Universidade Federal de Santa Catarina

Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Docente Adjunto do Departamento de Enfermagem da UFSC. E-mail: janecanders@nfr.ufsc.br

Maria Itayra Coelho de Souza Padilha, Universidade Federal de Santa Catarina

Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Docente Associada do Departamento de Enfermagem da UFSC. Pós-Doutora pela Lawrence Bloomberg Faculty of Nursing at University of Toronto. Pesquisadora do CNPq. E-mail: padilha@nfr.ufsc.br

Luizita Henckemaeir, Universidade do Sul de Santa Catarina

Enfermeira. Mestre. Docente da Universidade do Sul de Santa Catarina. E-mail: luizita.henckemaier@unisul.br

Roberta Costa, Universidade Federal de Santa Catarina

Enfermeira. Mestre em Enfermagem. Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da UFSC (PEN/UFSC). E-mail: robertanfr@hotmail.com

Lisnéia Fabiani Bock, Centro Universitário Metodista do Sul

Enfermeira. Mestre em Enfermagem. Doutoranda no PEN/UFSC. Docente do Curso de Enfermagem do Centro Universitário Metodista do Sul. E-mail: ffabibock@hotmail.com

Downloads

Publicado

01-06-2017

Como Citar

Fraga, T. F., Amante, L. N., Anders, J. C., Padilha, M. I. C. de S., Henckemaeir, L., Costa, R., & Bock, L. F. (2017). Percepção das mães sobre o processo comunicacional na unidade de terapia intensiva neonatal. Revista Eletrônica De Enfermagem, 11(3). https://doi.org/10.5216/ree.v11.47175

Edição

Seção

Artigo Original